segunda-feira, 12 de março de 2012

Tudo o que você sempre quis saber sobre jornalismo (mas tinha medo de perguntar)


Praticar jornalismo antes de se formar é pecado?
Não, claro que não. Os tempos mudaram. Tem gente, inclusive, praticando o jornalismo mesmo sem a faculdade, que já é outro extremo. É preciso achar um ponto de equilíbrio ou a coisa vira baixaria. No seu caso, como ainda é jovem e não se formou, pratique o jornalismo, mas vá devagar. Não precisa sair por aí pegando qualquer pauta safada.

Devo usar o gravador com entrevistados de risco?
Óbvio. Entrevista segura sempre. Muitos entrevistados podem alegar depois que não falaram o que falaram e pedir a sua cabeça ao chefe. Com o gravador, você evita as DSTs (Demissões Sacanamente Transmissíveis).

Conheço uma assessora de imprensa que antes era jornalista de redação. Há cinco anos, decidiu fazer a operação para mudança de profissão e hoje se diz mais completa e feliz. Mas tenho dúvidas. Quando a pessoa faz este tipo de mudança não perde o prazer?
Vários trans-jornalistas desempenham ótimo papel como assessores e sentem prazer na nova atividade. É preciso respeitar a diferença. Mais: é preciso um grande processo de inclusão do assessor na sociedade. Quando teremos um assessor numa novela da Globo?

Tenho um fetiche muito grande por emplacar a manchete do jornal. Fico todo excitado, ainda mais se for manchete de domingo. Sou um pervertido?
A excitação pela manchete ou matéria de capa é um transtorno tão comum que chega a ser algo normal para os jornalistas. Doente você seria se não a tivesse.

Publicar notícias com muita rapidez deixa o leitor insatisfeito?
Sim, os leitores ficam na maior vontade por uma matéria mais aprofundada. Uma grande disfunção do jornalismo atual é a ejaculação de informação precoce, que afeta principalmente jornalistas de portais. Invista nas apurações preliminares.

A primeira vez no pescoção dói?
Dói, ô se dói. A primeira, a segunda, a terceira...

Engulo o esporro do editor ou cuspo na cara dele?
Se precisa muito do emprego, engula. E sem fazer cara feia, ok?

É saudável ter fantasias jornalísticas? Eu, por exemplo, sempre me imagino apresentando o Jornal Nacional com a Patrícia Poeta numa ilha deserta.
A realidade é melhor do que qualquer fantasia. Mesmo que seja cobrir a explosão de um bueiro numa rua nada deserta.

Na minha editoria, há apenas homens. É muito comum um comentar o tamanho do lead do outro. O meu é sempre muito pequeno, porque tenho dificuldade de colocar o “como” e o “por quê” logo no primeiro parágrafo. Como aumentar o meu lead?
Não caia na cilada daqueles e-mails “enlarge your lead”, ok? Você nunca ouviu ninguém dizer que não importa o tamanho do lead, mas, sim, o prazer informativo que ele proporciona? A coisa é por aí. De que adiantam leads enormes e bobocas?


Já comprou o livro do Duda Rangel? Conheça a loja aqui, curta, compartilhe. Frete grátis para todo o Brasil.


Curta a página do blog no Facebook aqui.

25 comentários:

João Damasio disse...

perfect Duda!
hahaha
eu tenho uma dúvida pra jornalistóloga: Ler blog do Duda Rangel antes de formar previne ou acelera o (des)gosto pelo jornalismo?

Anônimo disse...

kkkkkkkkkkkkkk Muito bom. Vc é fera d+

Duda Rangel disse...

Obrigado, Anônimo.
A idéia, caro João, é prevenir o desgosto e acelerar o gosto. Acho que tem funcionado, sim. Valeu pela mensagem.
Abraços.

Elijonas Maya disse...

Eu to estudando Jornalismo e o blog do Duda me desencoraja a seguir a profissão, hahaha. Mau sinal?

Dirck disse...

DESilusões perdidas... quem não as quer?

Difícil é perder as Ilusões.

pi disse...

Sou sua fã!!

Sig Souza disse...

É mais ou menos como o jovem idealista que ser ser professor para "mudar o mundo" ... no fim quem muda é voce, com as DESilusões do dia a dia, com alunos preguiçosos cujos pais culpam voce pela incompetencia dos filhos, com salarios...l sem comentarios.... alguem disse que ser professor é um sacerdócio.. ta bom... entaõ eu quero as vantagens do sacerdote como casa , comida e emprego vitalicios e de graça. Que tal? Desculpe o longo comentario mas me identifico cada vez mais com seus posts.

Paulo Junior disse...

Duda, esse post é um dos melhores que já li por aqui há muito tempo! Parabéns pela criatividade bem colocada - porque, afinal, colocar de mau jeito causa dor no colega de profissão. =)

Jorge Fernando disse...

Excelente post, como sempre Duda! Por incrível que pareça, nas péssimas representações de jornalistas em novelas, já tivemos uma assessora, sim. Segue uma compilação de jornalistas de novela: http://www.blogdojorgefernando.com/2012/01/jornalista-de-novela.html

Abraço!

Duda Rangel disse...

Elijonas, a coragem de seguir ou não na profissão depende de cada um. Sucesso.
Paulo Junior, boa colocação. Com carinho, sempre.
Jorge, legal pela compilação. Vou conferir.
Dirck, pi e Sig, valeu pelas mensagens.
Abraços.

Filipe Chicarino disse...

auahuahua Extraordinário o texto!!! Arrebentou!!!

Duda Rangel disse...

Valeu, Filipe. Abração.

Soraya Leite disse...

Segui o caminho inverso da maioria dos jornalistas. Ao invés de ir para as redações, cai direto na Assesoria de Imprensa assim que me formei. E continuo, após 17 anos. E o que é pior, sempre na área política, que é contra-indicada para qualquer pessoa normal. Masoquismo? Talvez. Mas o prazer, às vezes, é meio esquisito mesmo. A gente gente tesão por coisas tão absurdas kkkkkkkkkk Parabéns pela criatividade.

Duda Rangel disse...

Jornalista é meio masoquista mesmo, Soraya. Você não é a única. Beijos.

Mari Pires disse...

Hhahaha... Boa pergunta João Damasio. Eu comecei a ler no terceiro ano da faculdade e segundo já trabalhando na área. É o que ele diz, mesmo com todas as dificuldades quem ama a profissão não desiste.
(Quero ver se vou pensar assim daqui a 5 anos, rsrs.

Duda! Amo o blog e divulgo o quanto posso!

Duda Rangel disse...

Oi, Mari, muito obrigado pelo amor e pela divulgação do blog. Volte sempre! Abraços.

Marina Kessler disse...

Adorei o post! Essas dúvidas ai sempre perseguem kkk!
A pouco acompanho o blog, mas achei sensacional! Gostei mesmo!

thiago teixeira disse...

Se o Lead não estiver dando contado recado, usar bem o nariz pode ser uma solução, não?

Duda Rangel disse...

Brigadão, Marina. Volte sempre.
Thiago, nariz-de-cera costuma dar uma aumentada no tamanho do lead. Não é a melhor solução, mas...
Abraços.

Fernanda Kathariny disse...

Gente o que issoooo. tu és muito talentoso! Sempre leio teus textos. Mas este eu tinha que comentar! Tá muiitooo bom! Parabéns! o/

Duda Rangel disse...

Oi, Fernanda. Muito agradecido pelas palavras. Beijão.

A viajante disse...

Muito bom! Adoro 0 humor ácido!

Débora Diniz disse...

Haha, muito bom.
Mas a Globo já teve novela com assessora de imprensa. Uma delas, inclusive, foi a Carolina Dieckmann (!) - que morreu antes de a novela acabar. Outra está no ar, às 19h. Mas é tão caricata que bem podia morrer também...

Rosemary Woodhouse disse...

Sensacional!!!!!!! Ri horrores!

Duda Rangel disse...

A viajante, Débora e Rosemary, valeu pelas mensagens. Débora, os personagens da Carolina Dieckmann sempre morrem antes de a novela acabar. Para a nossa sorte. Abraços.