terça-feira, 4 de setembro de 2012

Manual básico para o jornalista cuidar da saúde


A Organização Mundial da Saúde sugere que todo ser humano coma a cada três horas, com exceção feita a modelos anoréxicas e jornalistas. No nosso caso, ou se come ou se trabalha. Para jornalistas, almoçar e jantar num mesmo dia é um puta luxo. Se o pauteiro lhe mandar para um brunch, será o paraíso.

Beber demais é coisa do passado, a moda agora é consumo moderado. O romantismo jornalístico-cachaceiro acabou, e o fígado agradece. Mas não precisa exagerar na saúde. Nada de suco de clorofila, ok? Isso já é um atentado à profissão de jornalista.

Não abuse de atividades de alto impacto ou esforços intensos, como quatro pautas por dia ou vários fechamentos na semana. Busque alternativas mais leves, como folgar de vez em quando.

Adote técnicas de relaxamento. Já pensou em meditar no meio da redação enquanto espera o retorno da fonte? Só tome cuidado para não entrar em alfa e perder o deadline.

O sono é essencial. Se não for possível dormir oito horas por noite em sua cama, durma durante a coletiva de imprensa chata ou durante a reunião de pauta chata.

Rir faz bem à saúde. Ria do colega que chegar correndo à redação, escorregar e cair. Ria do dissídio do ano. Ria das piadas sem graça do seu chefe. Ria de si mesmo.

Sexo faz um bem danado para a saúde física, mental e até espiritual. Então, por que você não se desliga um pouco do jornalismo e arruma um tempinho? Não custa nada! Pode ser entre uma pauta e outra. Depois do plantão. No banco de trás do carro de reportagem?

Cuide da pele. Quando ficar 12 horas na porta de uma delegacia, num calor de 35 graus, cobrindo um crime bárbaro (jornalista adora este clichê), não esqueça o protetor solar. Aproveite para levar guarda-sol, cadeira de praia e um suco. Menos o de clorofila.

Eu sei que o seu plano de saúde não é lá essas coisas, mas fazer check-ups periódicos é recomendável. Dê atenção especial aos pontos mais vulneráveis do nosso organismo: coração, estômago, sistema nervoso e, claro, o bolso.


Já comprou o livro do Duda Rangel? Conheça a loja aqui, curta, compartilhe. Frete grátis para todo o Brasil.



Curta a página do blog no Facebook aqui.

6 comentários:

Helen De Rose disse...

Nossa, como é difícil ser jornalista!:) Ainda bem que me formei em Educação Física :). Agradeço por compartilhar. Bom dia!

Bastante sorte e sucesso.

Helen.

Ricardo Welbert disse...

HAHAHAHA! Hilário, como sempre! Duda, tenho usado meu Twitter (@ricardowelbert) para espalhar dicas de jornalismo (baseado no que aprendo na faculdade e na prática diária, bem como em manuais). Vou divulgar suas dicas em tuítes, mencionando o @DudaRangel, evidentemente. Abraço e (como sempre!) parabéns!

Naty disse...

Uau, ser jornalista é difícil... Fico lendo as coisas daqui e chego a pensar várias vezes se é isso que quero fazer mesmo!! rsrsrsr

Naty in Wonderland

Duda Rangel disse...

Helen, sucesso pra ti também.
Legal, Ricardo, valeu.
Naty, espero que você tome a melhor decisão.
Abraços.

Nine disse...

É difícil ser jornalista, mas é uma delícia também. Me divirto com a nossa realidade e cada vez tenho mais certeza que depois de 18 anos de redação fiz a escolha certa. Tá sei que sou louca!!! Mas tem jornalsta que não é? kkkk

Duda Rangel disse...

Acho que não, Nine, estamos todos no mesmo barco. Abraços.