terça-feira, 12 de novembro de 2013

O Rei do Camarote agregou valor ao jornalismo


Quando o jornalista da Vejinha que entrevistou o Rei do Camarote resolveu dar mil explicações para provar que sua reportagem era, sim, verídica, pensei: “fodeu de vez”.

Um repórter suplicando “acredite em mim, meu amor, e não no batom que estão inventando para a minha cueca” é algo muito mais sério do que simplesmente saber se Alexander de Almeida é um boçal real ou um boçal fake.

Ok, assim como a minha ex-mulher, a imprensa nunca foi 100% honesta, mas ao menos parecia honesta. Parece que nem parecer ela parece mais.

Apesar do meu “fodeu de vez” e do quê de desalento do início deste texto, a discussão toda que rolou em torno da verdade ou não da história foi ótima.

Se antes a grande imprensa era a dona de uma verdade absoluta, hoje a pluralidade de informações, contrainformações, subversões e opiniões deixou tudo muito relativo.

E tudo muito maluco também. E a bagunça que virou a circulação da informação nos obriga a pensar e questionar cada vez mais.

O que é verdade, afinal? E o que não é? Em quem confiar?

O jornalista sempre teve o dever de ser um sujeito desconfiado. Agora esta missão é de todo mundo que consome informação.

É claro que muito leitor acostumado à passividade vai achar que desconfiar dá um trabalhão danado, que ainda é melhor uma verdade mastigada. Tenho mesmo que me importar com cuecas e seus batons?

Mas outros tantos vão despertar. E este despertar é urgente.

Mesmo sem querer, a Vejinha, o repórter cheio de explicações e seu rei boçal (real ou não) ajudaram a agregar valor ao jornalismo.


Já comprou o livro do Duda Rangel? Conheça a loja aqui, curta, compartilhe. Frete grátis para todo o Brasil.

Curta a página do blog no Facebook aqui.

5 comentários:

pólvora online disse...

o melhor texto do teu blog... Tenho tido a mesma impressão também, e ela me deixa feliz mas ao mesmo tempo me amedronta... O fato é q a profissão de jornalista vai ficar cada vez mais necessaria... Averiguar a verdade vai fazer parte da profissão, no entanto, cada leitor bem informado vai dar suas certezas, e vai ter a liberdade as midias o dão pra divulga-las, e talvez a verdade fique cada vez mais distante nesse processo...

Amabile disse...

No mínimo nos faz pensar na qualidade do conteúdo e sempre tomar cuidados, caso seja necessário provar a inocência.

Duda Rangel disse...

Pólvora e Amabile, muito obrigado pelas mensagens, pelas observações. Abraços.

Rafael Belo disse...

muito bem interpretado. Com tanto hoax por aí, não ser desconfiado e argumentar sem ter argumento, é ser jornalista ciclope - que enxerga mal e acaba devorando a rasa e única informação encontrada.

Duda Rangel disse...

Valeu, Rafael.