quarta-feira, 1 de junho de 2011

Dia da imprensa


Balzac, escritor francês e inspiração para o nome deste blog, disse que “se a imprensa não existisse, seria preciso não inventá-la”. Eu sempre me encantei com esse quê desencantado do velho Balza, mas acho a tal frase meio radical. Tudo bem que, se a imprensa não existisse, o Zeca Camargo teria sido apenas um exímio dançarino do ventre, o que seria ótimo, mas não posso resumir a questão ao Zeca. A imprensa tem muita coisa boa também.

E se a imprensa realmente não existisse?

Quem denunciaria as contas secretas, as maracutaias, os dólares na cueca? O novo CD da Preta Gil, que perigo, chegaria às lojas imune de críticas. Não haveria os bares de jornalista e as filosofias de botequim de jornalista. Quem avisaria sobre as greves de trem, as ruas congestionadas e as chuvas de fim de tarde? A arte da investigação não teria conhecido o talento de Zé Bob. Pescoção seria apenas o cidadão interessado em olhar o decote da moça ao lado. A liberdade de expressão não teria tanto valor. O Nelson Rodrigues teria sido... o que o Nelson Rodrigues teria sido? Talvez médico? Ginecologista? Meu Deus! Não existiria o blog “Desilusões perdidas” para falar mal (e às vezes bem) da profissão. Jamais teríamos conhecido as histórias do bebê-diabo do ABC e do homem que torrou o pênis na tomada divulgadas pelo saudoso Notícias Populares. O Pedro Bial teria, muito provavelmente, dedicado toda a sua carreira a reality shows. Não haveria o caderno de Esportes da segunda-feira para a gente ler os elogios à vitória do nosso time. Eu jamais teria acordado com o Jornal da Manhã da Jovem Pan. Repita: eu jamais teria acordado com o Jornal da Manhã da Jovem Pan. Os fotógrafos só sobreviveriam com casamentos, batizados e festas de debutante. O furo seria apenas um orifício qualquer.


Já comprou o livro do Duda Rangel? Conheça a loja aqui, curta, compartilhe. Frete grátis para todo o Brasil.


Curta a página do blog no Facebook aqui.

19 comentários:

Paulo Sales disse...

Eu acho que o Pedro Bial teria mais tempo para se dedicar à poesia, e se tornaria um poeta de terceira categoria. Ao contrário de hoje, quando temos que atuar seus poemas de quinta.
Mais um ótimo texto, caro Duda, só para variar.

JD - João Damasio disse...

Yeah!
Começou bem com Balzac, terminou bem quase contra Balzac.
Sem deboches demasiados e sem argumentos rotulantes, repetidos e batidos, fez a autodefesa.
#Curti
Afinal, pelo menos para termos boas leituras no Desilusões Perdidas, serve a existência da imprensa, haha.

saraportal disse...

Por isso digo me descobri na melhor profissão do mundo!!!!

Parabéns Duda

bjs

saraportal disse...

Por isso digo me descobri na melhor profissão do mundo!!!!

Parabéns Duda

bjs

Clara disse...

Se eu dissesse que você é muito foda ainda seria pouco. Cara... essa do Zeca de dançarino do ventre foi demais!!!

Felipe Godoy disse...

Eu acho que o Zeca Camargo podia conciliar a carreira de jornalista com a dança.

Giovana Damaceno disse...

E eu nunca teria visto a cara da Glória Maria! Que máximo! O que ela seria? Nada?!

Patrícia, uma foca disse...

Você fala o lado B, C e de M (rs) do jornalismo e a partir dos seus posts eu não me desencanto da profissão, muito pelo contrário, quero ainda mais ser repórter como quero poucas coisas na vida.
Se o mundo é uma merda, sem a imprensa seria um tédio!!!

Celso disse...

Sou estudante de Jornalismo e descobri esse blog há algumas semanas. Desde então, sempre acompanho os novos posts, um melhor do que o outro.

Parabéns, Duda, pelos ótimos textos.

Roberta Fraga disse...

Nem preciso dizer que é ótimo, né?
Amo a imprensa.
Parabéns pelo Dia da Imprensa.

Maná Jovem disse...

E vc ainda pede para a gente não rir....kkk

Seu texto é maravilhoso, como sempre. Repita: Seu texto é maravilhoso, como sempre.

kkk

Tati Garritano disse...

Sou jornalista, tenho um blog e sigo vc.

Olha lá e me segue tb.
Beijos, Tati
http://devaneioseexpressoes.blogspot.com/

Mariana Belo disse...

"Eu jamais teria acordado com o Jornal da Manhã da Jovem Pan. Repita: eu jamais teria acordado com o Jornal da Manhã da Jovem Pan"

Digo e repito que adoro este teu blog. Bjos!

Duda Rangel disse...

Aos novos leitores, que descobriram o blog agora, e aos antigos leitores, que sempre me acompanham, obrigado pelas palavras tão meigas. Voltem sempre. E viva a imprensa!

Ocimar disse...

Jornalismo é igual a esposa com você dormindo de jeans. Hoje não rola, quem sabe amanhã? hehe

Márcia Guimarães disse...

Oi, Duda...copiando a colega Tati Garritano, sou jornalista e também tenho um blog. Dá uma olhada lá www.papocoisinhas.blogspot.com. É meu bloguizinho caseiro, mas quem sabe um dia também fico famosa na internet rsrsrs. Adoro seus textos. Sempre uma visão diferente, bem humorada ou sarcástica, ou as duas coisas, do nosso cotidiano de jornalistas.

Duda Rangel disse...

Oi, Márcia, obrigado pela mensagem. Vou visitar teu blog, sim. Abraços.

Luiz Ferreira disse...

Duda, muito bom o texto! Em 2009, escrevi algo sobre um "tema irmão", uma (im)possível greve de jornalistas: http://espetinhoecoca.blogspot.com.br/2009/10/e-por-direito-nada-se-sabera.html

Abraços!

Duda Rangel disse...

Valeu, Luiz. Lerei o teu texto, sim. Abração.