quarta-feira, 23 de junho de 2010

O sexo e o jornalismo


Conheça algumas expressões geralmente ligadas ao ato sexual – ou à sacanagem, se você preferir – que também estão presentes no universo dos jornalistas.

As preliminares
Os repórteres de televisão dão uma atenção mais especial às preliminares. Antes da entrada ao vivo ou de gravarem uma passagem para a matéria, arrumam os cabelos, retocam a maquiagem, checam se o feijão do almoço não persiste entre os dentes. Alguns, mais atenciosos, fazem aqueles exercícios de aquecimento das cordas vocais. E o mais importante para que tudo role de forma mais prazerosa e no timing certo é não esquecer de contar “um, dois, três” antes de entrar. Alguns focas, ansiosos, pulam toda esta etapa de preliminares e vão direto ao link ou à gravação. É a chamada ejaculação jornalística precoce.

A masturbação
O jornalista conseguiu apurar informação para, no máximo, 20 linhas, mas ganhou um espaço de 40 linhas para escrever sua matéria. E agora, o que fazer? Haja imaginação! Discreto, o jornalista afasta-se dos colegas para poder concluir o texto. Senta-se em frente ao computador, fecha os olhos e começa a inventar qualquer coisa. Fica ofegante ao finalizar um lead com 15 linhas. Muitos jornalistas, quando acabam o ato masturbatório, sentem-se culpados ou frustrados. Colunistas também são grandes adeptos da prática. Outra forma clássica de onanismo jornalístico é quando o repórter não tem nada para fazer, mas deve passar a tarde inteira na redação. Fica lá de bobeira, sozinho, tentando se excitar com informações que chegam das agências de notícia.

Foder com segurança
Nos tempos atuais, cheios de doenças perigosas e outras ameaças, como o “processo por danos morais” ou a “demissão indesejada”, todo cuidado é pouco para os jornalistas. Portanto, antes de publicar uma denúncia, certifique-se de que a fonte disse aquilo mesmo que você escreveu, certifique-se também de que o denunciado não é um importante anunciante ou amigo do dono de seu jornal, não esqueça o outro lado (com carinho, é claro, para não machucar) e, principalmente, jamais deixe de usar um gravador com entrevistados dos grupos de risco.

O coito interrompido
Faltam poucos minutos para o fechamento, o repórter está com o texto quase pronto. Confere uma última anotação em seu bloquinho, passa o corretor ortográfico, arredonda o título. Excitado, tem os músculos tesos e suor na testa. Está quase chegando ao fim, sim, está quase chegando, vai apertar o “enter” para liberar o texto, yes, baby, está quase lá, quase apertando o “enter”. Mas, neste momento, seu editor, ao longe, grita: “Porra, Duda, esquece que a matéria não vai entrar mais. Pintou um anúncio bom de última hora”.


Já comprou o livro do Duda Rangel? Conheça a loja aqui, curta, compartilhe. Frete grátis para todo o Brasil.

Curta a página do blog no Facebook aqui.

27 comentários:

Carolina Teixeira disse...

Simplesmente excitante!!!!

Eloy Vieira disse...

#eurialto

Gabriela Yamada disse...

Não há nada mais brochante que o coito interrompido, sérião.

Laís Fernanda Borges disse...

kkkkk muito bom :)

ri pra caramba aqui rs

concordo com a gabriela...coito interrompido é muito brochante.

Lygia Calil disse...

Nossa, Duda... Só você mesmo para me fazer rir, sozinha, olhando para a tela do computador da redação, depois das 19h.
Acabei de passei pela frustração do coito interrompido. É foda, né não?
Sempre estou por aqui, mas nunca comentei. Seguindo o assunto, to perdendo a virgindade, hehe.
Beijo.

Talita Cruz disse...

"Senta-se em frente ao computador, fecha os olhos e começa a inventar qualquer coisa.."

Recentemente eu fiz isso, foi até bom na hora, mas o resultado foi bem broxante..rsrs

Duda Rangel disse...

Carolina e Eloy, legal que vocês gostaram!
Gabriela e Laís, e não há remedinho azul que ajude neste caso.
Lygia, que bom que você perdeu sua virgindade do blog! Foi como você imaginava? rs. Volte sempre aos comentários. É muito bem-vinda.
Talita, pelo fim da bronha jornalística!
Beijos e abraços do Duda

ronielfelipe disse...

Muito bom. Indicarei para os amiguinhos de profissão. Principalmente aqueles que ainda não encontraram seu lugar ao sol.
Abraço.

Duda Rangel disse...

Olá, Roniel, valeu pela indicação. Volte sempre ao blog. E parabéns por teu "El Marronzito". Abraços.

fabita . disse...

bah, adorei vc.

Laura Zschaber disse...

Oi Duda,
Sou estagiária em um jornal de Belo Horizonte e como sempre, você me fez rir bastante!
Adorei o texto e posso dizer que cotidianamente convivo com o conceito de "masturbação". rs
Beijos

Guilherme disse...

Rachei o bico do coito interrompido.

Duda Rangel disse...

Valeu, Fabita, valeu, Guilherme.
Laura, o conceito da "masturbação" exige muita imaginação dos jornalistas. Legal pela confissão!
Abraços.

lidi ;) disse...

Nada é pior que o coito interrompido!

Vívian Soares disse...

Também há a categoria "arregou" - quando vc faz todas as "preliminares", corre atrás da entrevista, faz foto e tudo o mais, mas vê que aquilo não vai dar em nada. Volta pra redação com o rabinho entre as pernas e aquela brinca da fotografia.
Adoro seu blog, parabéns.

Duda Rangel disse...

Obrigado, Vivian. Bjs.

JD - João Damasio disse...

"sexo, jornalismo e rock'n'roll" uhuuu!
Vamos nos divertir nas redações...

@rodrigodealmei disse...

Gozei... Bem, passei por todos esses causos, e irei passar mais vezes, claro. Abraços.

Nestário Luiz disse...

HAHAHAHAHAHA. Mais uma ótima postagem. Espero um dia passar por todas essas situações. Doido, não? Mas isso que quero! kkkkk.

yago Sales disse...

Eitaaaa, mais um post que me fez repensar: Jornalismo. Direito. Jornalismo.Direito.
Todavia que o jornalismo sempre vence. Amoo essa profissão.

Parabéns Dudaaa!!
YAGO SALES, 17 anos, Goiânia-GO.

Rodrigo Torres disse...

Coito interrompido é uma puta falta de sacanagem

Duda Rangel disse...

Agradeço os comentários. Abraços!

Eduardo Maia disse...

A cada dia, um texto melhor que o outro. Quanta criatividade, Duda. Quando crescer quero ser igual a ti. Abraço e parabéns!

Duda Rangel disse...

Valeu, Eduardo. Abração.

Katylenin França disse...

Simplesmente não existem outras palavras para descrever o jornalismo. É exatamente assim que acontece.. valeu. Duda, mais um belíssimo texto. adorei. parabéns.

Karla Losse Mendes disse...

Oi Duda, poxa ri muito!!! brigadão pelo texto para animar o fim da tarde! rsss

Duda Rangel disse...

Katylenin e Karla, que bom que gostaram do texto. Beijos.