quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Bar de jornalista


Bar de jornalista não tem frescura.

É boteco, botequim. Simples. Não tem hostess na porta. É só chegar, entrar, sentar. Em cadeiras gastas, bambas, sem charme algum. Sem conforto algum. As mesinhas, unidas, viram mesonas e invadem as calçadas. Não tem regras de etiqueta.

Bar de jornalista é tosco. De tão feio, vira cult. A decoração não é assinada por designers. Nas paredes, de pintura descascada ou azulejos velhos, pôsteres de peças de teatro e filmes dividem espaço com a tubulação de água aparente e avisos de “Não aceitamos cheque”. Ar-condicionado aqui não entra. Só ventilador. LCD é luxo. TV tem que ser de tubo.

Bar de jornalista tem cardápio escrito com giz em lousas ou em folhas de sulfite plastificadas, remendadas com durex. Não tem garçom de mau humor. Não tem carta de vinho. Tem cerveja. Em garrafa. Tem moscas que sobrevoam as latinhas de Coca-Cola. Tem porção de calabresa, mandioca, provolone. Coisa boa, de entupir artéria.

Bar de jornalista é barulhento. São vozes que se cruzam, que discutem cultura, política, filosofia, sacanagem. Maledicências. Lamentações. Neuroses. Planos para mudar de vida que nunca saem do guardanapo.

Tem mulheres que pegam batata frita com a mão, homens que não têm vergonha de cruzar a perna como o Caetano Veloso. Tem gente feia, bonita, pobre, não tão pobre assim, branca, preta, multicolor. Tem artista. Tem gay. Tem artista gay. Tem intelectual. Tem gente metida a intelectual. Tem cheiro de mijo que vem do banheiro. Tem vida.

Bar de jornalista não tem frescura. Se tiver, desconfie.


Já comprou o livro do Duda Rangel? Conheça a loja aqui, curta, compartilhe. Frete grátis para todo o Brasil.

Curta a página do blog no Facebook aqui.

51 comentários:

Ronise Vilela disse...

Visualizei um bar de Londrina, desse jeitinho.

Mariana Serafini disse...

Perfeito! Esse é o bar da esquida da faculdade onde passei os quatro anos mais largados da vida!
Sem frescura! comi batata frita com a mão, debati filosofia e sacanagem com artista gay intelectual!
hauahahahaah
adoro isso! adoro seus textos, Duda!
obrigada por compartilhá-los conosco!

beijos

Camila Lima disse...

É isso aí! Bar de jornalista é tudo igual! kkkkk E nós adoramos assim!

Tânia Brandão disse...

Menino, me senti no ambiente. Vontade de sair correndo e tomar cerveja no pé sujo autêntico.

Juliana disse...

Passei os quatro anos da faculdade aqui em Manaus/AM, com a turma indo pra bares assim, desse jeitinho que Duda descreveu... Nossa passou um filme agora na minha frente... no Bar do Armando que o diga....

cassinha disse...

Então... eu descobri que eu gosto mesmo é de Bar de Jornalista...que esquina encontro um em Gyn? Gostei
Ritadecassinha

Giovanna Lima disse...

Gosto do texto, bem detalhado e acima de tudo, verdadeiro.

Giovanna Lima disse...

Gosto do texto. Bem detalhado, sujo e verdadeiro.

Mima Von Zuben disse...

nossa, me deu vontade de ir pro bar!

HAHAHA seu blog é demais, parabéns!

Anônimo disse...

Lembrei dum bar que frequento com uns amigos (jornalistas tb) na baixa Rua Augusta, em SP. A gente apelidou carinhosamente o lugar de Facada's, devido a uma situação que passamos por lá e que não necessita aqui de maiores satisfações. rs

Abs,

André Nespoli

Silvana Chaves disse...

Boa!!
Totalmente visual o post.
E de fato, fiquei com vontade de ir pro bar ...rs

bj e Parabéns pelo maravilhoso texto, Duda!

Laura Abreu disse...

Bar de Jornalista é realmente assim.. é tempo bom, os 4 anos de facul, e frequentando o boteco da esquina

Eliana Loureiro disse...

Ótimo texto.

Laís Fernanda Borges disse...

Me vi num bar...deu vontade de sair daqui correndo pra tomar uma cerveja :)

É Juliana, o Bar do Armando que o diga rs... é o bar dos jornalistas, escritores, intelectuais, de uma moçada underground...td acaba indo pra lá :)

Anônimo disse...

Como viajante que sou...viajei nesse cenário e juro, ouvi vozes, risadas e tô vendo o gaçom, anotaando com um x, mais uma cerveja geladaaaaaaaaaa, em sua cartela, Duda! Simplicidade, isso sim, dá prazer e engorda...rs...
Visita, visita, visita...
http://foiassimdoispontos.blogspot.com/

Rosangela Silva disse...

Adoro essa dose de humor inteligente que emprega aos seus textos! E sim, bar de jornalista eh tdo igual... se tiver frescura, desconfie! ahahaha... Sensacional!

Maria Teresa disse...

O bar parece vivo pela descrição cheia de sensações!
Abraços

Monique disse...

Esse bar é o clássico "Gruta", no centro. Do lado do Diário de S. Paulo. Amo aquele lugar!

joão thiago disse...

que saudade de um pé sujo!

Anônimo disse...

para quem não bebe há tempos, esse post é de dar água na boca. A simplicidade do bar inspira até novas mamães ;) Adorei! Gi

AleXXX disse...

é o Mercearia, na Vila madalena!

Renata disse...

Tem vida. Tem papo bom. Tem ideias borbulhando. Acho até que vou sair do trabalho hoje e procurar um bar de jornalista pela cidade.. Confesso que não vou num desses desde os tempos da faculdade.. muito bom!

Marcelo Negs disse...

Sendo de jornalista ou não, buteco bom é assim mesmo! ´
Bons textos! É isso aí!

Marcelo Negs disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Justine disse...

Estou vendo o "Porta Larga", um bom e velho pé sujo (autêntico) de Porto Alegre!
Parabéns pelo blog! É ducaralho!

Ana Paula Rosas disse...

Conheço um bem assim em Salvador!

Duda Rangel disse...

Achei muito legal a identificação de vocês com a descrição do bar. Todo mundo conhece um, não é? Com suas particularidades, é claro, mas com a mesma essência: a simplicidade. Obrigado pelos comentários. Abraços a todos!

Nanda Sales disse...

Meodels, tô visualizando o "Copo Sujo" na Frente da TV Jornal. ai que alegria, quanta vida!!!

Cristine Bartchewsky disse...

Desconfio que escolhi o curso pensando na possibilidade de manter minha vida de boteco-bom.

Anônimo disse...

Gostei do texto! Bar de jornalista é assim mesmo! Pena estar faltando é jornalistas sem frescura!...
Moizes Vasconcellos - Reporter fotográfico

Duda Rangel disse...

Nanda, boas lembranças!
Cristine, saber se o boteco freqüentado por estudantes de determinado curso é bom é fundamental na hora do vestibular. É igual eleição: depois temos de suportar quatro anos.
Moizes, os bares ficam, os jornalistas mudam.
Abraços.

Camila Sol disse...

lembranças do "Point Liberdade" mais conhecido como "amarelinho" aqui na porta da Una (em BH). Eita, ams esse tempo vaid ar saudade dpois...

Joyce Noronha disse...

Ahá! Pra mim só faltou mencionar as mesas de sinuca cheias de caídas e os tacos quebrados, mas que ñ importa, mesmo assim a gnt joga. Querido Stribe na esquina da faculdade, carinhosamente apelidado de "Campus 3"... Hehehehehe...

Hugo disse...

A cara do Pitombeira, perto da faculdade de Jornalismo da Universidade Federal do Ceará.

Helena Pawlow disse...

Descrição perfeita Duda! Jornalista q se preze frequenta esses bares rsrsrs
São as noites mais divertidas e insanas de nossas sofridas vidas jornalísticas

Duda Rangel disse...

Amarelinho, Stribe, Pitombeira. Que legal poder resgatar boas lembranças.
Helena, são noites divertidas mesmo!
Abraços.

Daiana Geremias disse...

Seu blog foi uma das coisas mais incríveis que descobri na internet nos últimos tempos. Já virou favorito. Já virou desses que a gente dá uma olhadinha todo santo dia. Amo seu jeito de juntar as palavras (parece tarefa simples, mas, sabemos, é das mais complicadas).
Parabéns!

Gabriel Daher disse...

Aposto que o bar de Londrina que a Ronise Vilela visualizou é o bar do Jota. Realmente se adequa em todas as características citadas.

Duda Rangel disse...

Oi, Daiana, obrigado pelas palavras tão meigas. Volte quando quiser ao blog.
Gabriel, valeu pela participação.
Abraços.

Jess Block disse...

Inspiração pro happy-hour! Muito bom, Duda!

Duda Rangel disse...

Valeu, Jess. Beijão.

Elizabeth Boas disse...

Você continua desempregado? Porque com seus textos, inteligência e humor, acho impossível! hehehehe

Duda Rangel disse...

Olá, Elizabeth. Continuo na luta, errando de bar em bar. Beijos.

Anônimo disse...

Minha contribuição para esta matéria:

Penso que penso e falo o que não penso pois sou livre e nessa liberdade me acorrento...

rsrsrsr

Wagner Santos

Duda Rangel disse...

Profundíssimo, Wagner. Abraços.

Anônimo disse...

Nossa esse texto me lembra o bar da faculdade, no qual minha turma se reúne depois das provas ou toda sexta - feira, bar de jornalista é assim mesmo, exala felicidade, simplicidade e criatividade.
João Holanda

Duda Rangel disse...

Boa, João, é isso aí.

Thais Alves disse...

Bar de jornalista é mesmo assim, largado, sem jeito, cheio de histórias, com lembranças pra vida inteira.

Duda Rangel disse...

Thais, jornalista adora carregar lembranças mesmo.

Miss Doce de Candura disse...

Engraçado como jornalista muda de região e nome, mas nunca de vida! Um único jornalista pode relatar a vida de todos!

PROLAB DIGITAL disse...

Faltou a mortadela neste seu bar.....