terça-feira, 11 de janeiro de 2011

Sete passos para um jornalista ambientalmente responsável


O planeta está cada vez mais ameaçado e é preciso parar de colocar tudo na conta do peido da vaca. Nós, jornalistas, também podemos contribuir para salvar o meio ambiente. Que tal fazermos a nossa parte? A seguir, sete propostas do blog.

1. Seria assinado um protocolo com o objetivo de reduzir a emissão de gases poluentes. Os jornalistas deveriam, num prazo de cinco anos, diminuir em 20% o consumo de calabresa apimentada, torresminho e carne seca com mandioca.

2. Os diplomas, que não valem mais nada, deveriam ser impressos pelas faculdades em papel semente. Tão logo o jornalista recebesse o seu certificado e chorasse abraçado aos pais, deveria picá-lo e plantar os pedacinhos em um vaso qualquer.

3. Seria criada uma reserva alcoológica para proteção do jornalista-que-bebe-pra-cacete-da-barriga-redonda, espécie ameaçada de extinção pelo jornalista-nerd-que-só-toma-suco-de-lichia-do-rabo-malhado.

4. Com o intuito de promover o uso racional da energia, os pescoções, nas madrugadas de sábado, passariam a ser realizados à luz de velas. As velas, juntamente com a pizza e o vinho safado, ainda garantiriam um clima de romantismo ao ambiente.

5. Para evitar as queimadas descontroladas, o consumo de maconha seria restrito às festinhas entre amigos uma única vez na semana. E, em um amplo programa de compensação ambiental, para cada baseado fumado, o jornalista deveria plantar um novo pé em sua casa.

6. Incentivo ao descarte seletivo do lixo jornalístico. Você sabia que uma coluna do Diogo Mainardi jogada num rio leva centenas de anos para se decompor? Em cestos plásticos azuis, por exemplo, seriam depositadas matérias sobre celebridades. Nos verdes, resenhas de jogos de futebol. Nos vermelhos, matérias com economistas fazendo projeções furadas.

7. Seria instituído o Dia Mundial Sem Carro de Reportagem. E também o Dia Mundial Sem Destruir a Planta que Fica ao Lado da Máquina de Café de Tanta Raiva pela Folga Cassada pelo Editor. E, claro, o Dia Mundial Sem Releases Tóxicos.


Já comprou o livro do Duda Rangel? Conheça a loja aqui, curta, compartilhe. Frete grátis para todo o Brasil.


Curta a página do blog no Facebook aqui.

16 comentários:

Bd disse...

Genial esse. Essa lista dá para aumentar e muito

Suelen disse...

óótimaa a do diploma! acho justo, já que não vale mais ¬¬

ingra costa e silva♥ disse...

Divinamente escrito , como sempre.
Quando eu acho qeu o Duda já me surpreendeu, lá vem ele com algo muito real da nossa vida jornalística. Parabéns Duda, continue publicando, pois ó você para nso fazer dar umas risadas em meio a tanto stress.

Leonardo Belquiman disse...

hehe, Duda, vc é um gênio! Também poderíamos adicionar à lista a Reciclagem de Metades de Cigarro. É só juntar todas as metades (ou mais) que vc não consegue fumar quando aparece uma cobertura urgente bem na hora que vc "acende o pito"

A viajante disse...

Acho que de todas, talvez a proposta número sete é a menos factível! O diploma pode ter outra serventia...rs...Feliz 2011 Duda!

Mariana Serafini disse...

o diploma em papel semente foi genial
e o Jornalista-que-bebe-pra-cacete-barriga-redonda também foi ótimo! hushsushsus

Anônimo disse...

Sensacional! Quanta criatividade. Diploma em papel semente foi demais. Uma idéia para ser aplicada não somente para os diplomas de jornalismo.... Plante essa idéia!

Anne E. disse...

Acabei de passar no vestibular, estou prestes a iniciar o curso e me apresentaram o Desilusões Perdidas. Incrivelmente o meu interesse (e paixão) pelo jornalismo só aumenta a cada postagem do blog.

Monaliza Brito disse...

Dou total apoiop ao projeto! hahaha

Duda Rangel disse...

Obrigado a todos pelo carinho e pelas sugestões de preservação do meio ambiente. O espaço está aberto para novas idéias. O planeta e a vaca agradecem. Abraços.

Júlia Paniz disse...

Poderia trocar a maconha pelo diploma. Vamos fumar o diploma!

Lu disse...

"Você sabia que uma coluna do Diogo Mainardi jogada num rio leva centenas de anos para se decompor?" Acho que vou rir disso por meses! hahahahahaha...

Cármen disse...

Acho que este foi seu texto mais revoltado...rsrs
Nem por isso, menos engraçado.
Criativo como sempre. Parabéns.

CBA - 2011 disse...

Genial,Cezimbra compartilhou e eu vou multiplicar. Fazer humor e o que realmente diferencia o animal-humano do não-humano!
Ainda bem que o jornalista ambientalista e antes de tudo jornalista, porque este e de um consumismo... hilário!
Mas...quem é perfeito?
Eu adoraria ter você no meu blog, como poderia ser a parceria?Posso republicar o texto?
Visite: Amigos da Agroecologia
(ô nominho simplório!) http://agroecologia.blogspot.com
Vidad longa as suas desilusões!Amei!

Fabiana Diaz disse...

Genial Duda. Obrigada por emprestar seu humor aos (meus) dias onde há uma tremenda falta deste ítem que não se encontra facilmente por ai...(me refiro a humor de boa qualidade).
Bom feriado...

Duda Rangel disse...

CBA, pode republicar o texto, sim. É só não esquecer o crédito. Agradeço a divulgação. Visitarei o blog.
Fabiana, obrigado pelo carinho. Bom feriado pra ti também.