segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

O que responder para um cara que oferece 10 reais pelo texto de um jornalista profissional


Prefiro fazer malabarismo com bolinhas no farol que eu ganho mais.

É por essas e outras que o mercado está uma bosta. Babaca.

Eu cobro 10 mil reais pelo meu texto. Mas a gente pode chegar a um meio-termo. Topa?

Eu não vou perder o meu tempo escrevendo para uma publicação furreca como a sua (gostaram da expressão “furreca”?).

Que jornalista ganha mal a gente já sabe, mas, meu amigo, também não precisa avacalhar, né?

Por que o digníssimo senhor não pega esta nota de 10 reais, faz um aviãozinho igual ao Silvio Santos e enfia no seu digníssimo cu?


Já comprou o livro do Duda Rangel? Conheça a loja aqui, curta, compartilhe. Frete grátis para todo o Brasil.

20 comentários:

Helen Fernanda disse...

"Eu cobro 10 mil reais pelo meu texto. Mas a gente pode chegar a um meio-termo. Topa?"

Ainda vou usar muito essa frase. kkk

Elijonas Maia disse...

Não precisa avacalhar!

João Damasio disse...

Nuss..

Dá pra usar centenas de vezes cada uma dessas frases, infelizmente, rsrs.

Renan Silva disse...

Dia desses, em um dos inúmeros sites que oferecem freelas para jornalistas, vi uma "vaga" para colaborador de um site. Pagariam 4 reais por texto de 400 palavras com foto. Deu vontade mesmo de dizer que prefiro fazer malabarismo na esquina. hahaha

Ingrid Araujo disse...

E tem piores. Esta semana vi um freela que paga 8 reais por texto de 400. Bom texto! E quanto custou? rs

N. disse...

A última, com certeza. E ainda tem classe demais, levando em conta o indivíduo com o qual se está lidando.

Duda Rangel disse...

Infelizmente, tem muito jornalista que precisa usar essas frases. Abraços a todos.

Léa Aragón disse...

Um diretor de marketing e criador de cavalos queria me pagar 200,00 por mês pra eu produzir e postar cinco notícias por dias no blog dele. Ahahahahahaha...só rindo!

Duda Rangel disse...

Só rindo mesmo, Léa.

... disse...

O pior de tudo é o "profissional" que aceita receber esses absurdos. O mercado acaba se nivelando por baixo. Muito triste.

Rosi Rodriques disse...

Escrever é uma arte... deveria ser valorizado como tal. Aqui no interior então, a coisa beira ao sarcasmo mesmo. Eu simplesmente ignoro propostas indecentes, quase todo dia.

João Thiago disse...

A última frase, certamente, é mais a minha cara...

Marina Schmidt disse...

Léa Aragón, você venceu. Foi a pior proposta que eu já vi. De acordo com as condições do digníssimo, em um mês (considerando 30 dias), você produziria 150 texto para o blog, ganhando R$ 0,75 a cada texto produzido. Praticamente um regime de escravidão! Aliás, esse pode ser mais um argumento. "Não, obrigada, sou contra a escravidão."

Anônimo disse...

Adorei o "digníssimo cu"!

Duda Rangel disse...

E o que não falta para jornalista é proposta indecente. Abraços.

Pedro disse...

Se jornalista que está reclamando é o mesmo que escreveu esse texto, ofereço 5 e ainda peço a diferença.
Mas a gente pode chegar num meio termo, topa?

Duda Rangel disse...

Digníssimo Pedro, olha o aviãozinho. hahaha

Rio Flor Demonstração disse...

Eu morava fora do Brasil, estou totalmente por fora... Quanto seria um valor justo para um bom texto jornalístico de 400 palavras?

Rio Flor Demonstração disse...

Eu morava fora do Brasil, estou totalmente por fora...Quanto seria, então, um valor justo por um bom texto jornalístico de 400 palavras?

Duda Rangel disse...

Rio Flor, não sei te dizer o valor correto, mas se você fizer uma pesquisa em sites de sindicatos de jornalistas, como os de São Paulo e Rio, vai encontrar uma tabela com valores de referência. Abraço.