quinta-feira, 17 de setembro de 2009

O velório


Apesar da vida desregrada, Almeida teve uma morte banal, atropelado por uma bicicleta. Repousava, agora, num caixão, enquanto poucos conhecidos chegavam para o velório. Deitado na mesma posição havia horas, sem se mexer, já sentia dores nas costas. Aquele algodão no nariz também o incomodava. De olhos fechados, não via ninguém, mas podia escutar tudo ao seu redor. Reconheceu a voz de alguns colegas de redação.

- Era um excelente jornalista, mas sempre se achou o único repórter capaz de fazer a cobertura policial, afirmou Carlão.

- Como se gabava ao dizer que era amigo de delegados, que tinha entrevistado os criminosos mais perigosos, emendou Jurandir.

- Contava que recebia ameaças de morte só para ter privilégios do jornal, completou Pedrosa.

Almeida ficou pálido, mais do que já estava. Então era essa a imagem que os colegas tinham dele? Para falar mal, que ficassem em casa. Ou no jornal, com suas pautas ordinárias. Tinham, sim, inveja de seu faro apurado, de suas fontes secretas, dos inúmeros furos, do sucesso com as mulheres.

- Era um conquistador barato, lembrou Ritinha. Diziam que, quando bebia então, não dava no couro.

Aí já era demais. Não respeitavam nem um defunto. Por que tanto rancor? Cansado, Almeida desejava virar para o lado e colocar um algodão também nos ouvidos, antes que chegassem ao velório seu chefe e sua ex-mulher. Nessas horas, o melhor a fazer é descansar em paz.

3 comentários:

BitterSweet disse...

Olá Duda =D ahhh as pessoas adoram falar mal de jornalistas! mas no fundo BEEEEM lá no fundo, nos adoram =P Afinal, como eles saberiam que a cadela da socialite Valeska Francisca Beaverhausen teve filhote? =O

Gleyci Pamplona disse...

Qual a raça dos cachorros da cadela Valeska Francisca?hihihihi!

Duda agore vc poderia escrever oque a ex mulher e o chefe falarm do Almeida.
Abraços...

Duda Rangel disse...

Bitter, algumas pessoas gostam dos jornalistas, mas é bem lá no fundo mesmo. Gleyci, as palavras do chefe e da ex-mulher do Almeida são impublicáveis. Sorry. Beijos!