sexta-feira, 5 de novembro de 2010

Efêmera


Repórter de jornal diário passa horas apurando uma matéria, entrevista Deus e o capeta, toma esporro do chefe, escreve, revisa, corrige aqui e acolá. E a matéria acaba rapidinho na vala comum. Resiste apenas 24 horas. Envelhecimento precoce. Morte súbita. Dá até pena. Só quem escreveu a mantém viva. Saboreia a cria até enjoar. Sonha mostrar pros netos. Do resto do mundo só ganha desprezo. Repugnância. A matéria de ontem está condenada a enrolar peixe e banana na feira. A ser fuzilada pela merda dos passarinhos. Pelo mijo dos cães.

20 comentários:

Eu... disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anônimo disse...

Cheguei até seu blog ontem, 03, mas acho que ele vai fazer arte dos sites acessados diariamente entre uma matéria e outra. Parabéns, muito criativo, divertido e sincero.

Abraços Mariana Negrini

Draupadi disse...

"Saboreia a cria até enjoar " rsrsrsrs adorei isso , leio e releio até cansar mesmo !!!!
http://koisasdekali.blogspot.com

Fernando de Barros disse...

É a mais pura verdade, mas dá um prazer imenso. Lembro-me de quase todas que fiz nestes 30 anos de carreira e são todas como filhos que um dia eu pus no mundo.
Parabens pelo blog!

Letícia Murta disse...

Dá mesmo muita pena pensar que a maioria das coisas que escrevemos nem mesmo são lidas. Na maioria das vezes o leitor bate o olho e pula para a próxima....
Eu guardo minhas matérias em pastas de plástico, salvo os links, coleciono.

Clauderlan Vilela disse...

Ainda partilhando da "nobre" experiência de ser estagiário, concordo plenamente. O cuidado, a admiração, geralmente, cabe apenas a quem escreve, a quem vivenciou e sabe como foi construir a suada narrativa. Salvo raras excessões.

Leliane disse...

Cara, como vc realmente sabe das coisas! A gente se identifica demais com o que vc escreve. Recebo suas postagens no e-mail e não consigo resistir ao impulso de dar aquela passadinha aqui, mesmo com a correria do dia a dia, tentando entrevistar Deus e o capeta :D

Saudações da votuporaguense que vive em São José do Rio Preto.

Bjos!

Sophia Camargo disse...

Duda,
na internet não se enrola peixe e banana. Servimos de alimentos para os vírus e vermes. hahahahahahahah
Sophia Camargo
sua fã
http://noticias.r7.com/blogs/sophia-camargo/

Wladmir disse...

Senti isso uma vez. Aqui em casa tinha uma tartaruga e o forro da "casa" dela era jornal. Um dia colocaram de uma matéria minha assinada e a desgracenta resolveu fazer cocõ justo no meu nome. Pensei: "Será que escrevo tanta merda assim?"

Wladmir disse...

Uma vez a tartaruga que tínhamos aqui fez cocô justamente em cima do meu nome, pois o jornal era o tapete da casa dela. Era uma matéria assinada. Pensei: "Será que escrevo tanta merda assim?"

Anônimo disse...

Pior ainda é pegar carona com alguém e se deparar com seu trabalho sobre o tapete. As pessoas pisam no que você fez com tanto esforço.Abraços. Mari Negrini

Márcia Pilar disse...

quem é do impresso, sabe.
carregamos nossos esqueletos e troféus dentro de pastas e gavetas.
é um delírio constante poder revisitar o que já povoou nossa mente.

A viajante disse...

Um jornal ontem serviu para limpar resíduo de gasolina do carro de uma amiga...deu vontade de parar tudo e ao menos ler as notícias do caderno, mas ela não deixou, estava com pressa! Eita mundo efêmero, mundo líquido, de coisas provisórias...bj

Duda Rangel disse...

Pode parecer desperdício, mas matéria de jornal diário é descartável mesmo. Sempre foi assim. Só resta aos autores proteger suas crias. Qual o jornalista que nunca fez isso?
Obrigado por todos os comentários. E pelas mensagens tão meigas sobre o blog. Voltem sempre. Abraços.

Anônimo disse...

Duda, tem mais uma coisa. Outro dia entrevistei uma mulher e ela me disse que o jornal para o qual escrevo faz bem para o intestino dela (usou exatamente essas palavras). É que todo dia de manhã ela lê o jornal no banheiro.
Só rindo, pra não chorar, né?
Paula

Anônimo disse...

Meu caro, pobre dos repórteres de TV, então. Aos jornais, restam os anais. Vítor Rocha

Duda Rangel disse...

Paula, eu desconhecia este poder terapêutico do jornal. Ótimo remédio para prisão de ventre. Depois nos diga o nome do teu jornal.
É, Vítor, pobre de quem não pode recorrer aos anais.
Abraços.

Imprensa Que É Bom disse...

E a gente ainda tem que aguentar a turma da tv dizer: 'Jornal de hoje, notícia de ontem'.

Suzana Matias disse...

Como sempre, brilhante!

Duda Rangel disse...

Valeu, Suzana.