quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Todo mundo virou jornalista!


Com o fim da obrigatoriedade do diploma de jornalista, muita gente de outras áreas passou a exercer a profissão, sem qualquer qualificação. Clássicas técnicas de entrevista, por exemplo, têm sido substituídas por métodos nada ortodoxos de busca pela informação. O blog denuncia alguns casos mais assustadores.

A moça do telemarketing

- Eu gostaria muito de poder estar entrevistando o senhor. O senhor teria um minutinho para poder estar respondendo algumas perguntas?

- É rápida essa entrevista, querida? É que eu tô no trânsito.

- Super-rápida, senhor. Para a sua segurança e para a minha também, gostaria de estar informando que a entrevista estará sendo gravada. Tudo bem?

O médico

- Você vai me desculpar, mas o que as cirurgias que eu já fiz ou os casos de hipertensão arterial na minha família têm a ver com a minha trajetória artística, musical? Você pediu para fazer o meu perfil profissional ou uma anamnese?

- Fica calmo, são só perguntinhas de rotina. Fumante?

A prostituta

- Alô, Sharon? Tá a fim de um frila bom? Mas, escuta, desta vez é cobertura completa, ok? Apuração, redação, texto final, fotos e até legenda de fotos. Topa?

- (mascando chiclete). Claro que topo, editor. Só que a completa, você sabe, é mais cara.

O jogador de futebol

- Você foi convocado pra reforçar a editoria de política nas eleições. Bem-vindo!

- Obrigado, professor, quer dizer, editor. A gente tá vindo pra somar e a editoria tá unida e espera fazer uma grande cobertura.

- Ah, serão 64 dias de trabalho na redação. Sem folga.

- Sem folga? Sério que rola concentração aqui também?

O assaltante

- Vai passando a informação, vai passando a informação! Rápido, porra! Eu quero o lead inteiro, vai! O que, quem, quando, onde, como e por quê! Tá demorando!

- O “como” e o “por quê” eu não tenho.

- Como não tem?

- Não tenho. Eu juro!

- Qué morrê? Passa logo o lead inteiro, porra!


Já comprou o livro do Duda Rangel? Conheça a loja aqui, curta, compartilhe. Frete grátis para todo o Brasil.

Curta a página do blog no Facebook aqui.

40 comentários:

gigopepo disse...

Tem gente sem diploma que é mil vezes mais capaz de ser jornalista do que a maioria dos que a gente vê por ai na Veja, Folha, Globo e etc.

Jessica Fiuza disse...

Perfeito !!

Mariana Negrini disse...

O contexto e o humor são muito bons, mas acho que existem jornalistas sem diplomas, atuantes e esforçados que merecem o cargo que conquistaram.
Algumas pessoas vão a faculdade do barzinho ao lado da sala de aula, saem de lá com diplomas e nem por isso merecem mais respeito.
Acho que a questão é muito singular e sempre, mas sempre mesmo, se terá vaga no ercado de trabalho para quem for bom, independente da diplomação.

Ana Paula disse...

Então, tem muita gente sem diploma que escreve melhor do que muitos jornalistas "empregados" por aí. A esses talentos natos eu digo que podiam sentar o rabo na carteira e estudar uns aninhos para aperfeiçoar o 'dom'. Mas não, preferem fazer lobby e usar argumentos tontos como esse para desmobilizar uma classe inteira. Paciência!!!

Ronise Vilela disse...

Quantas vezes é preciso repetir que não é o diploma que faz o jornalista? Mas, o importante de todo esse processo é que, de alguma forma, se dá diretrizes para a profissão e sua regulamentação não pode ser descartada.
É duro depois de 20 anos de formada, reconhecer que papai e mamãe estavam certos.

Lívia Inácio disse...

kkkkkkkkkkkkkkkk

esse blog me mata!

Larissa disse...

Sim, exite gente sem diploma que escreve melhor que muito jornalista formado e por conta disso mesmo, já que tem todo esse talento, que deveria estudar e se aperfeiçoar.
Escritor e Jornalista são coisas diferentes. O jornalista não vive só de escrever.

Larissa disse...

Corrigindo: Existe

Anônimo disse...

É até covardia gente que não tem diploma de jornalismo fazer a defesa de não diplomados.
Gostaria de ver se todos achassem bacana acabar com diploma de médico, advogado, cientista social e mexessem naquele que eles estudaram para ver se também achariam gostoso.
Gilmar Mendes, o ministro que acabou com o diploma dos jornalistas, é um ser que não merece elogios....

Simão Zygband- jornalista diplomado e defensor dos diplomas em geral

lostacts disse...

Escrever bem é diferente de saber noticiar bem. Passar uma informação da forma mais clara e objetiva não tem nada a ver com saber escrever bem. Mas ambos podem coexistir.
O fato é que, o principal problema da falta de diploma, não é quem está empregado e tem diploma mas não sabe escrever, ou quem não tem diploma e sabe escrever. O problema é a queda do piso em um profissão que exige muito do profissional.
Afinal como disse um grande jornalista : O bom jornalista é jornalista 24 horas por dia.

Claudia Pinelli disse...

Acho pertinente a defesa do diploma de jornalista e tal, mas antigamente não havia diploma e existiam bons jornalistas.

Mas meu questionamento é: tanta celeuma por causa do diploma dos jornalistas, mas o que dizer da classe dos professores que já tem seus bicões há muuuito mais tempo e ninguém sequer perde tempo para escrever uma linha?

Todo mundo é "professor" nas horas vagas, para ganhar um troco extra.

Pois bem, enquanto houver esses bicudos tirando onda de professores, a educação vai ficar à mercê de falsos profissionais e todo mundo já sabe o resultado, não é?

Ah, e o pior... A culpa continuará recaindo nas costas do pobre do professor diplomado.

Um abraço,

Claudia Pinelli.

Meninos também podem! disse...

Adorei o texto! Muito bom!

Alessandra disse...

O blog é ótimo, uma lente de aumento sobre o nosso mundinho, com muito humor. Já indiquei para vários amigos!

Paloma, a mãe disse...

Duda, estou degustando seu blog aos poucos e a cada post anterior rio e/ ou me compadeço com a descrição tão bem feita que vc faz da vida de jornalista. Muito bom (o texto, não essa vida)!

Anderson Costolli disse...

Morrendo de rir! Sensacional esse post... Parabéns ao (s) autor (es).

Historinhas desimportantes disse...

Há uma crônica de Rubem Alves chamada 'Os urubus togados e os sabiás cantantes' onde há uma crítica à extrema valorização da burocracia na qualificação do indivíduo. Ali os detentores da burocracia do conhecimento queriam impedir, do alto de suas togas, que os sabiás cantassem por não terem diploma. 'Ah, não pode!' diziam os togados urubus. Há uma associação entre o urubu e o formando togado e até com outras profissões onde se usa esta vestimenta, como no judiciário.O médico, o professor, o piloto, o pedreiro, o engenheiro, o cozinheiro, a costureira, e o jornalista antes de tudo são profissionais motivados por fatores que fogem ao frio registro cartorial. A busca, a curiosidade, a auto-estima, o senso de responsabilidade, de utilidade social são maiores do que as formalidades.

Rebelc disse...

Aqui no interior, tratam todo mundo como "jornalista", mesmo aquelas antas que não sabem diferenciar um artigo de uma matéria, que nunca fizeram uma reportagem, ou que acham que pauta é a linha do caderno... Especialmente a classe política tem mania de chamar todo mundo de jornalista, menos o verdadeiro profissional (seja ele diplomado ou não). Aliás, para os defensores do não-diplomado, os maiores picaretas do meio jonalístico local e regional não possuem o canudo, mas claro que há exceção :)

Anônimo disse...

Mais do que a questão do diploma deveriam debater a questão da educação. Do que vale estudar horas ininterruptas para passar em um vestibular ou pagar caríssimo por uma faculdade se a qualidade do ensino é bem aquém do esforço.
Prefiro batalhar por ensino de qualidade, para aí sim pensar em deixar parte do meu dia em uma cadeira da faculdade, com os olhos e os ouvidos atentos a quem ensina.
Por enquanto vou tentando mostrar os absurdos e as maravilhas da cidade. Quem sabe um dia um diploma realmente faça a diferença.

Duda Rangel disse...

Ter diploma não é garantia de competência, sem dúvida. Existem péssimos profissionais formados em jornalismo. Por outro lado, é preciso cuidado para que a profissão não seja banalizada, com um mercado de trabalho ainda mais saturado de gente, menos vagas, salários em queda etc. Agradeço a participação de todos! Abraços.

Luis Felipe disse...

Há pajés mais competentes do que muitos médicos, mas nem por isso o governo os permite exercer medicina. Há muito mais por trás da decisão do STF do que apenas a "liberdade de expressão". Cheguei a escrever um post sobre o tema em meu antigo blog. Se alguém quiser dar uma olhada, este é o link: http://migre.me/2ra68

Aline Santos disse...

Lamento por esses que defendem os "jornalistas sem diploma".Tb não tiro a competência de alguns que não o têm.É certo que muito do nosso trabalho aprendemos na lida mesmo,mas estudamos pra isso,somos apaixonados pela profissão e anos de nossa dedicação merecem respeito e reconhecimento!!

Anna disse...

Adorei o blog, Duda!
Textos nos quais assuntos cotidianos de (futuros) jornalistas, com franqueza e bom humor! :)

Parabéns!

Fran disse...

Na parte dos jogadores faltou aos clássicos comentários: graças a deus, se deus quiser e derivados... ehehehhe

Duda Rangel disse...

Oi, Fran. Como diriam os jogadores, "com certeza".
Luis Felipe, parabéns pelo post em teu blog.
Aline e Anna, obrigado pela participação, pelas opiniões!
Abraços.

Peter MC disse...

Mano, seu texto é muito foda, cara. Eu sei bem o que é isso, exerço a função d ejornalista numa rádio, num portal e ainda nem comecei a fazer jornalismo na faculdade, embora eu pretenda.

Parabéns!

@PetterMC

Lanier Rosa disse...

kkkkkkkkkkkkkkkk
Muito bom!!!
Sempre, né Duda?!

Duda Rangel disse...

Valeu, Lanier. Beijão.

Amanda disse...

Tem gente que não sabe saborear um bom texto. É pra desconstrair, não é para se matar. Existem jornalistas e jornalistas, diplomas e diplomas, enfim...O texto é ótimo!! Parabéns, Duda.

Anônimo disse...

Texto ótimo. Quer ser jornalista? vai estudar, cacete! tá em outra área e quer escrever, faça literatura ou artigos, porra.

Jaime Neto
@jaimenetoo

Duda Rangel disse...

Valeu, Amanda. Viva o bom senso!
Jaime, gostei do "porra" no final. Bastante incisivo.
Abraços.

Débora Lopes disse...

seu texto me entristece. você tentou fazer algo engraçado às custas de preconceito. qual o problema em meninas de telemarketing e prostitutas virarem jornalistas? eu adoraria saber que as mulheres estão ganhando mais espaço, buscando outras profissões, se interessando por informação e conhecimento. eu estudo jornalismo e não me importo nada com quem exerce a profissão sem diploma. isso não me tira do mercado e, sim, me faz querer ser melhor, me dedicar e buscar o que é meu.

você pode até ser um bom jornalista, não conheço seu trabalho e não vim aqui te escrever desaforos. mas faltou reflexão e o mínimo de bom senso na hora de escrever esse post.

Anônimo disse...

Então, tem muita gente sem diploma que escreve melhor do que muitos jornalistas "empregados" por aí. A esses talentos natos eu digo que podiam sentar o rabo na carteira e estudar uns aninhos para aperfeiçoar o 'dom'. Mas não, preferem fazer lobby e usar argumentos tontos como esse para desmobilizar uma classe inteira. Paciência!!![2]

Sarah Gonçalves disse...

Infelizmente essa brincadeira é uma realidade. Em Dourados, no MS, a Câmara de Vereadores (órgão público) está promovendo um concurso para uma vaga de Jornalista, na qual não exige o diploma. O Sindicato de Jornalistas da cidade fez reunião com o presidente da Câmara para que o diploma fosse cobrado, mas de nada adiantou. Realmente, concordo que o diploma não é garantia de um excelente trabalho, mas como o próprio Duda disse em um dos comentários, "é preciso cuidado para que a profissão não seja banalizada". E se nem os órgãos públicos valorizam a nossa profissão, é o fim mesmo!!!

Anônimo disse...

É por causa disso que está o maior fuzuê aqui na Paraíba, cheio de analfabetos passando por cima dos direitos humanos e ainda querendo se eleger prefeitos, vereadores e outros afins.
Veja essa matéria que você terá um pouquinho do que o jornalismo virou aqui com essa gentalha: http://www.prpb.mpf.gov.br/news/mpf-processa-tv-correio-e-apresentador-por-exibicao-de-cenas-de-estupro-de-menor

Estevan Minini disse...

Então, tem muita gente sem diploma que escreve melhor do que muitos jornalistas "empregados" por aí. A esses talentos natos eu digo que podiam sentar o rabo na carteira e estudar uns aninhos para aperfeiçoar o 'dom'. Mas não, preferem fazer lobby e usar argumentos tontos como esse para desmobilizar uma classe inteira. Paciência!!![3]

E digo mais: jornalista não precisa escrever bem. Quem tem que escrever bem é escritor. Jornalista tem que escrever com técnica apurada e ética. E isso não vem com o "dom".

Golby Pullig disse...

Sou jornalista sem diploma há 20 anos, mas a profissão que eu exercia antes nem consta nesta lista (felizmente). Chorei de rir Duda. Não nos levar a sério é o melhor. Abraço fraterno.

Marjulie disse...

Já viram alguém que é 'jornalista sem diploma' não ter nenhum outro diploma? Não, né? Todos são advogados, médicos, psicólogos... É que aparecer no jornal/rádio/tv dando opinião ou lendo TP é chique. No entanto, alguém conhece alguma pessoa que queira ser repórter, aquele que confere buraco de rua e faz obituário de gente prestes a morrer pra ganhar o piso ou nem isso? Pra essa pedreira, 'doutor' nenhum quer aparecer. Pra trabalhar feriadão, Natal, virada do Ano, final de semana, ou ficar 24h sem dormir em um velório, os 'doutores' certamente preferem o conforto dos lares. Esses que defendem a 'falta' de diploma querem apresentar jornal e escrever coluna. Mas jornalismo, mesmo, é ser peão. Viva ao meu diploma, que pagarei com orgulho até 2017, quando terminam as parcelas do Fies.

Duda Rangel disse...

Golby, é por aí mesmo: não nos levar a sério é o melhor! Obrigado pela mensagem.
Marjulie, invista em você, sim. Os competentes sempre terão espaço! Abraços

Anônimo disse...

É como o amigo aí já falou ''escrever um artigo, não é a mesma coisa de escrever uma matéria. Para todas as profissões é preciso técnicas. Em uma entrevista,uma pessoa sem formação teria dificuldades de nas apurações. Já um jornalista com formação, certamente saberá o caminho certo da fonte.Mesmo porque em uma redação, ninguém irá parar suas atividades para explicar ao individuo o q é; pauta,fonte,lead,chamada,matéria fria, matéria quente,nota... etc,

Anônimo disse...

Esses porra não sabem o q é ser um autêntico Jornalista. Fica com o cú grudado em uma cadeira de escritório escrevendo artigos e já diz ser Jornalista.Vão se formar bandos de aproveitadores. É por isso q o Brasil não vai pra frente,onde q já se viu, um supremo estimular as pessoas, a deixar de buscar uma Faculdade, de buscar formação? daqui a pouco, um Médico estará advogando e, um Arquiteto comandando um cirurgia. Ah tenham paciência né?