segunda-feira, 11 de abril de 2011

Assessores de imprensa X galera da redação


- Alô, Caderno de Cultura.
- Boa tarde, com quem eu falo?
- Pedro.
- Pedro, aqui é o Edson, da Pauta Criativa Comunicação, tudo bom?
- Edson, estamos no fechamento. Liga depois, por favor.
- Vocês receberam o release do show do Bee Gees Cover?
- Não sei, mas agora não vai dar pra ver isso.
- Pedro, é só uma checadinha.
- Cara, não deu pra entender que estamos no fechamento?
- Mas é rapidi...
(tu-tu-tu)


- Vou mandar as perguntas por e-mail, ok?
- Fátima, nosso diretor comercial é muito ocupado e prefere atender a imprensa por telefone. É mais ágil.
- Querido, eu também sou muitíssimo ocupada aqui na redação. Vou mandar por e-mail mesmo.
- Quantas perguntas são, Fátima?
- Umas 20?
- Vinte?
- Vinte. Algum problema?
- Bom, vou ver se ele consegue responder tudo até sexta.
- Querido, tá louco? Aqui é jornal diário. Preciso das respostas em, no máximo, no máximo, uma hora. E presta atenção: quero também foto em alta resolução. E boa, hein?


- Bom dia, eu queria falar com o chefe de Reportagem. É o Marcos Araújo, né?
- Olha, o Marcos não trabalha aqui no jornal há mais de um ano.
- Mas tenho certeza que ele abraçou um novo desafio profissional.
- O Marcos morreu.
- Putz, morreu? Eu sinto muito mesmo. Não sabia.
- Tudo bem.
- Me desculpe. Estes mailings de imprensa vivem desatualizados.
- Tudo bem.
- Deixa então eu aproveitar pra falar da minha pauta com você mesma.
- Manda pro meu e-mail, por favor, que depois eu leio com calma. Pode ser?
- Vou mandar, sim, mas antes quero falar do novo tratamento para remoção de manchas na pele que é bár-ba-ro. Sabe bárbaro?
- Olha, você ligou no Caderno de Política. Ciência & Saúde é no ramal 3526.
- Tuuuudo bem. Vou ligar pra lá agora.
- Só um detalhe: o pessoal lá só chega à tarde.


- Alô.
- Alô. Edson? É Pedro, do Caderno de Cultura, tudo jóia?
- Sim, Pedro, do Caderno de Cultura, tudo jóia.
- Deixa eu te perguntar uma coisa, amigão: você tem ingresso sobrando pro show do Bee Gees Cover? Minha namorada adora Bee Gees, tá louca pra ir.
- Vocês não deram nem uma notinha, né? Viu pelo menos o release?
- Pois é, não teve espaço. Fica pra próxima. O show promete, hein?
- O show promete.
- E o ingresso rola?
- Pode ser, pode ser. Aguarda só um minutinho na linha que eu vou falar com a minha gerente.
- Tudo bem.
(tu-tu-tu)


Já comprou o livro do Duda Rangel? Conheça a loja aqui, curta, compartilhe. Frete grátis para todo o Brasil.

45 comentários:

Paulo Roberto Junior disse...

Tive uma grande identificação com a parte da morte! Já aconteceu comigo! hahahaha Situação beem chata! Ótimo post. Parabéns! Abs

Anônimo disse...

Kkkkk! Tem casos como o meu, que sou assessor de imprensa até as 18h e vou pra edição do jornal à noite. É caso de cobrar escanteio e correr pra cabecear. Tudo pra ver sobra um troquinho no final do mês.

Mara Bianchetti disse...

hahaha
FATO!

JD - João Damasio disse...

hahahahaha...
Super engraçado...
Ah, vai... mas nem sempre é assim. Os termos são esses mesmo.
Mas eu ainda vou acreditando que assessor de imprensa e jornalista de redação são parceiros de trabalho. #Ingenuidade

Aflaudisio Dantas disse...

Pelo post já vi que se eu for ser assessor sofrerei muito na mão do povo da redação.haya

Thays Petters disse...

ótimo!

Anônimo disse...

Faltou só a insistência da redação em saber alguma coisa, qualquer coisa, quando vc já disse q não pode porque não pode passar nada ainda. Muito bom!

Nitya Rios disse...

#vidadeassessor é isso mesmo! rs

Escrivinhadora disse...

Claro que isso tudo ocorre. Mas também aparece colega sem noção querendo que se explique em trinta segundos por telefone tipos de perguntas que mereceriam uma palestra, tal a complexidade do tema. Outros que publicam matérias inteiras sem ter checado N-A-D-A. Usam fotos ou outros materiais antigos e colocam horários que não existem mais. Outros que simplesmente não entendem mensagens simples, do tipo "mantenedor é fulano, não beltrano". Sem falar na quantidade de colegas que "aterrisam" em eventos sem saber onde estão, com quem falar, e se bobear não atinam em procurar o assessor. E por aí vai... já vi uma secretária mandar um fax para a redação "chutando" o resultado antes da reunião terminar e eu mandar o realease como o que realmente aconteceu e publicarem a versão da secretária sem confirmar... Enfim: tem colega que não é fácil.

Anônimo disse...

Kkkkkkkkkkkkkkkkk tô me divertindo até agora. Quem já viveu os dois lados da moeda sabe bem o que é isso. O lance é tentar encontrar o equilíbrio da situação e correr para o abraço.
Francília Cutrim
Jornalista e Assessora de Imprensa

Jéssica Trabuco disse...

E é assim mesmo.
Ri muuito!

Camila Diodato disse...

Muito bom. O pior é que acontece assim mesmo na realidade.

Fátima disse...

P/ quem é de redação e se acha melhor q o assessor de imprensa, a vingança veio a cavalo ... hahaha. mto bom, como sempre!

Janaina Rico disse...

Adorei!!!!!!

Anônimo disse...

Assessor de Imprensa precisa ter tido experiência em jornal. E a turma da Redação precisa ter um pouquinho mais de compreensão sobre o trabalho de assessor de Imprensa. Agora, não dá é pedir ingresso de show, mesmo que tenha publicado nota, né?

Eduardo Balduino - Badu
Assessor de Imprensa

Francis Amaral disse...

Rapaz, fui de redação e agora estou em ascom. Amei a postagem, porque são fatos. Mas acho que falta consciência da função de cada um: o trabalho do assessor é assessorar o cliente e a redação, quando precisa falar com o cliente. Essa se assessor estrelinha é fim de carreira total...

Por outro lado, o pessoal de redação também extrapola, às vezes; se comportam como se fossem os únicos jornalistas dignos da face da terra. #OhVida...

Samuel Lima disse...

hahahaha
muito bom o post...
fui "pedra" por cerca de 17 anos... agora sou "vidraça"...
é interessante que a relação é, com algumas variações, exatamente a retrada no post... parabéns pela sacada...

Olga Samila disse...

Na imprensa diária é bem assim! Porém há que se ver um outro lado, pois essa é uma questão de várias facetas. Há, geralmente na imprensa periódica e especializada, uma certa afinidade - profissional e necessária - entre redação e assessoria de imprensa. Por mais que os "diálogos" sejam semelhantes, a assessoria se torna quase que uma parceira da redação na hora de conseguir entrevistas, imagens e até mesmo na hora de apagar incêndios. Há diversas assessorias com um bom grau de especialização em segmentos diferenciados que, mais do que apenas oferecer sugestões (o que fazem sempre, tudo seguido do follow-up), estão sempre dispostas a ajudar e a fazer com que o trabalho da redação se multiplique. E as boas assessorias contam com equipes que quase sempre trazem informações no mínimo confiáveis. O fundamental, em qualquer circunstância, é manter o equilíbrio. Afinal, se somos pedra hoje, amanhã poderemos ser vidraça.

Isabella disse...

Falta muito respeito do pessoal de redação para com o de assessoria. Os diálogos do post são fatos... Tá na hora desse povo abaixar o topete pq não são melhores que ninguém. Um precisa do trabalho do outro. E por mais que uns não queiram aceitar, ambos são jornalistas. Quantos realeses já não vi na íntegra em jornais por aí...

Anônimo disse...

E quando você é repórter e o namorado assessor e rola aquela pauta de denúncia. Nem Jesus salva!!!
A relação é de amor e ódio. Trabalho como jornalista e minha vizinha é assessora de imprensa do Município. Combinamos em não falar de trabalho no prédio, para evitar algum tipo de transtorno.

Anônimo disse...

Adorei. É fato. Ja estive dos dois lados. E acreditem ser assessor é pior, pq vc sabe a pressa louca do redator, mas tem um chefe que precisa aprovar a nota...rsrs

Gabriel disse...

Muitobom! Fato, né?!

Welington Sabino disse...

Engraçado!, pois comigo ocorre o contrário do telefone e e-mail, quando preciso entrevistar alguém por telefone devido a rapidez, e o miserável do assessor pede para mandar via e-mail as perguntas,e nem fala de quando voltará respondido e neste caso, pode esquecer da respota rápida!, pois sabe-se lá que a peste vai responder mesmo! detesto quando isso acontece.

A torre disse...

ótimo post! Parabéns!

Anônimo disse...

já trabalhei dos dois lados e definitivamente é mto mais difícil o trabalho de um (bom) assessor de imprensa. cobrar agilidade de entrevista como se fosse seu chefe! as pessoas que nunca trabalharam com isso tem certa dificuldade em entender que, por maior que seja a sua vontade, seu cliente pode sinplesmente te ignorar, por mais que vc fique no pé dele. não é ser mau assessor, é caso de "mau cliente".

Anônimo disse...

simplesmente*

Duda Rangel disse...

Este embate entre assessores de imprensa e a turma da redação é para muitos rounds. Parece que não vai acabar nunca. Abraços a todos.

Marcos Araújo disse...

Mataram-me no post. hahaha

Vivian disse...

Eu me identifico com a Fátima. Hahahaha

Devaneios de Larinha disse...

Eu me divirto muito!!!
Mandei um release essa semana e vivi essa situação... Boa!!!

Cristal disse...

Tem jornalista que pensa que vida de assessor é fácil, mas cumprir três pautas diárias está longe da AGONIA de ter assessorado ligando meia noite pra falar de uma ideia "brilhante" que teve ou receber bronca porque não viu aquela nota no portal menos lido do universo e ainda aguentar a secretária (que nesse caso pode ser qualquer outra pessoa que não tem nada a ver com a área de comunicação) cobrando pq a imprensa não cobriu o terceiro evento consecutivo do seu assessorado. Mas eu mereço! Meu avô bem que avisou que era melhor colocar um DR. na frente do nome...

JD Matos disse...

Já fui repórter e agora sou assessora. Conheço os dois lados da moeda..é barra!!

Mas temos que trabalhar com profissionalismo e tentar equilibrar as coisas para cada lado.

Duda Rangel disse...

É verdade, ninguém tem vida fácil, de qualquer lado que esteja. Abraços.

Anônimo disse...

O trabalho de assessoria é muito ingrato,especilamente para estagiários. Não curto muito,pra suprir a necessidade de jornalismo mesmo, faço uns frilas, mas como estou terminando a faculdade em dezembro e serei contrata,vou ficando até conseguir alguma coisa em redação.Preciso de grana pra pagar a minha pós. Oh vida tirana.

Anônimo disse...

Realmente isso as vezes acontece, porém na imprensa especializada, área que eu atuo, a afinidades entre redação e assessoria de imprensa é maior. É claro que as vezes lidamos com casos iguais a esses descritos no texto, mas, quando isso acontece, é porque o jornalista não é especializado e acaba caindo de paraquedas para fazer determinada pauta. Nesses casos, o atrito as vezes acontece. Temos que saber lidar.

Soraya Leite disse...

Me identifiquei com Pedro, do Caderno de Cultura, que depois de desligar o telefone na cara do assessor de imprensa sem dar valor algum ao seu trabalho teve a coragem de ligar para pedir favor. Isso é mais frequente do que se imagina. Parabéns mais uma vez. seu blog é demais!

Duda Rangel disse...

Oi, Soraya. Obrigado pela mensagem.

Acácia Paes disse...

Essa conversa, além de ser a mais pura realidade, é sensacional. Dou muita risada, sempre que leio.

Aliás, Duda, adoro seu blog.

Parabéns!

Duda Rangel disse...

Oi, Acácia, obrigado pelo carinho. Beijos.

Anônimo disse...

Dudaaaa, seu blog é massa. Adoroooo.Avante!

Duda Rangel disse...

Valeu, caro Anônimo.

O assessor de "má vontade" disse...

Tem também a repórter que liga às 17h45, expediente encerrando, e pede o levantamento do número de pacientes atendidos com síndrome de pé chato no pé esquerdo (MAS SÓ NO PÉ ESQUERDO).

- Tá, vou tentar saber se é possível levantar, mas a essa hora não garanto...
- Mas poxa, na prefeitura foi tão fácil...
- Talvez porque eles tenham um público menor (e porque você ligou mais cedo!)...

Cinco minutos depois:

- Amiga, é possível levantar, mas desculpa, não hoje...
- Nem uma estimativa??
- (...) Não, não podemos dar uma estimativa.
- Ai, tá bom! Brigado viu?! (tututu)

Duda Rangel disse...

Assessor de "má vontade", excelente história. É assim mesmo. Abraços.

Rosi Rodriques disse...

Vida de assessor de imprensa na mão de repórter chato é sempre um suplício.

Jerônimo Pires disse...

Esqueceu de relatar alguns pontos:

Jornalista: Alô! Por favor, gostaria de falar com o assessor de imprensa.
Secretária da empresa: Ele não está.
Jornalista: Qual o celular dele, é urgente.
Secretária da empresa: Não estou autorizada a passar.
Jornalista: Como assim? Preciso falar com o diretor, para chegar até ele preciso falar com o assessor.
Secretária da empresa: Senhor, não estou autorizada a passar.

... (20 minutos correndo atrás do número do diretor)

FALA COM O DIRETOR (Normalmente super hiper mega gente boa)

... (10 minutos depois)

ASSESSOR: Alô! Gostaria de falar com o jornalista.
TELEFONISTA DO JORNAL: Só um minuto.

JORNALISTA: Alô!
ASSESSOR: O que está pensando, ligando direto para o diretor.

Já passei por essas e por outras diversas vezes. O assessor precisa estar de plantão 24 horas. Essa é a função dele, assessorar a imprensa e apagar os incêndios. Caso não queira apagar, os jornalistas precisam de respostas e vão atrás delas.