sexta-feira, 13 de fevereiro de 2009

O Inferno de Duda, a continuação


Meus caros amigos, eis a segunda e última parte do meu Inferno imaginário, formado apenas por jornalistas. Caminho cada vez mais para o fundo do buraco, no centro da Terra. A jornada acabou sendo rápida porque meu guia, ranzinza, estava de saco cheio de tudo. A primeira parte está em post abaixo.

5º círculo (assessores de imprensa do mal): este espaço é destinado aos que enviavam releases com informações inverídicas, que vendiam a mesma pauta exclusiva para vários jornais ao mesmo tempo, que ligavam para a redação na hora do fechamento e eram insuportavelmente chatos no follow-up. Como castigo, passam o dia inteiro ao telefone, recebendo propostas de aquisição de cartão de crédito, TV a cabo, assinatura de revistas e filtros de água. Os assessores do bem ficaram no limbo.

6º círculo (vaidosos e competitivos): são os jornalistas que faziam de tudo para conseguir um furo de reportagem, nem que, para isso, tivessem de puxar o tapete de um colega. Sonhavam com prêmios. São os que sonegavam informações aos amigos e se debruçavam sobre a tela do computador para que ninguém por perto descobrisse sua “grande matéria”. Hoje, atuam como rádio-escuta no jornal oficial do Inferno, para ajudar os colegas. O único furo que dão é para o Capeta, mas não precisamos entrar em detalhes aqui.

7º círculo (abutres em geral): local reservado aos jornalistas sensacionalistas, que adoravam alavancar a audiência de seus noticiários explorando a desgraça e a miséria alheias. Têm a companhia dos invasores de privacidade, paparazzi e afins. No Inferno, são condenados a editar um tablóide diário em que reportam os próprios castigos a que são submetidos, tudo com muito drama e sofrimento. Afinal, o Capeta também adora uma imprensa marrom.

8º círculo (mentirosos e caluniadores): é um grupo formado por pecadores de respeito, os principais responsáveis por manchar a reputação da crasse. São os que inventavam matérias, criavam factóides, tudo com um único objetivo: difamar o outro. Sofrem um dos piores castigos: diariamente são publicadas, no jornal oficial do Inferno, notícias falsas que denigrem a imagem destes pecadores. Sem direito de resposta.

9º círculo (vendidos e subornadores): estão no nível mais baixo do Inferno, os pecadores de alta periculosidade. São os que, na carreira, tiveram o rabo preso e serviram apenas a interesses obscuros. Lá também estão os que publicavam informações mediante vantagem financeira e os que subornavam fontes em troca de privilégios. São os que agora ardem nas profundezas. No Inferno, até tentam negociar algum tipo de benefício, mas o Capeta, que é um cara muito do mal, não dá a mínima. Só quer aumentar o tamanho da labareda.

Um comentário:

Fernando disse...

Como um representante da espécie dos jornalistas, pude identificar muitos desses personagens da nossa profissão e sinto nojo disso tudo!

Restou uma dúvida: Será que sou algum deles?