segunda-feira, 18 de maio de 2009

Viciado em nariz-de-cera


– Alô, Jornalistas Enchedores-de-Lingüiça Anônimos, bom dia. Em que posso ajudá-lo?

­– Sou um jovem e angustiado repórter de política. De jornal diário.

– Entendo, senhor.

– Não consigo escrever um lead conciso.

– Entendo, senhor.

­– Sempre achei essa coisa de "o que, quem, quando, onde, como e por quê" a maior cascata. Deixa nosso texto pobre, limita a criatividade.

– Mas os textos jornalísticos precisam ser claros e objetivos, senhor.

– Quando abro um arquivo novo no computador, o espaço vazio me desperta a volúpia de escrever sem parar.

– A simplicidade exige técnica, senhor.

– Já escrevi leads de mais de 20 linhas.

– O caso do senhor parece grave, mas confie em nós. Já curamos alguns figurões da imprensa.

– Figurões?

– Esse mal não é exclusivo dos focas. Alguns colegas experientes adoram divagar, romancear. Talvez sejam escritores frustrados.

– Na redação, sou alvo de chacotas. Meu apelido é Nariga. Dizem que sou o rei do nariz-de-cera.

– O senhor já procurou tratamento antes?

– Uma vez, participei de um grupo de ajuda chamado "Repórteres que escrevem demais". Aqueles encontros eram uma enrolação. Fiquei pior.

– Imagino, senhor.

– Estou desesperado. Vou desistir do Jornalismo para estudar Direito.

– Tente se controlar, senhor.

– Vou me inscrever hoje mesmo numa daquelas faculdades que dão diploma em dois anos.

– Fique tranqüilo, por favor. Está sozinho em casa?

– Como advogado, poderei escrever páginas e mais páginas de petições, processos...

– Procure manter o equilíbrio, senhor.

– Mandarei a concisão e a clareza para a casa do caralho.

– Calma, senhor. Não faça nenhuma besteira. Estou aqui para ajudá-lo.

– ...

– Senhor? Senhor?

20 comentários:

Flávia Romanelli disse...

Sensacional!

Bjo

Rosemeri Sirnes disse...

O homem está fora de controle(rs). Adorei o texto.

Beijo

Marcos Oliveira disse...

Acho que talvez sofra do mesmo complexo...

smackpot disse...

quer escrever muito? escrava um livro logo

Ewerton Martins Ribeiro disse...

Eu sou meio assim. Para conseguir fazer os necessários leads do meu dia a dia de comunicação corporativa, desço a mão no teclado quando no blog. É uma válvula de escape.

(Mesmo assim, vira e mexe, eu me pego na necessidade de escrever uma matéria de 800 caracteres - e, quando vejo, já tenho 1500 escritos, sem nem mesmo ter informado o quê vai acontecer onde. Meu caso é crítico, como pode ver).

Rosangela Florêncio disse...

Adorei!!! Alguém tem o número do serviço? rs

The Ideas of a Vintage Doll disse...

kkkkkkkkkkkkkkkkk
Amei! Nem consigo comentar!

Lanier Rosa disse...

"Não Senhor, direito nãaaaaaaao!!!" kkkkkk
Muito bom! Mas como foca, prefiro omitir meu sentimento de identificação...Ops! rsrsrs

Elieth Rodrigues disse...

Enfim, só assim para superar as frustrações profissionais.
Sei muito bem como é isso.
Parabéns..

Duda Rangel disse...

Pois é, meus amigos, atire a primeira pedra quem nunca fez um nariz-de-cera! Mas temos cura, sim, temos cura! Beijos e abraços.

Ariadne Lima disse...

Adorei! E, confesso: também dou luz a um nariz de cera de vez em quando. Não sou de ferro, pôxa! Nas outras vezes, corro pro blog e despejo tudo o que eu tive que represar. rs Abs!

Karolinni Ferreira disse...

Ai Duda!
Acabei de levar um pescoção de meu professor e adivinha por quê?

N-A-R-I-Z-DE-C-E-RA!

O bom é que ainda estou no segundo semestre. Ainda tenho bastante tempo para tentar contornar essa situação.

Oh my God!

Duda Rangel disse...

Oi, Ariadne. Nada como ter um blog para desovar as palavras que ficaram guardadas.
Não se preocupe, Karolinni. Você ainda terá tempo para se livrar desta maldição...rs. Beijos.

Gabi disse...

Pra mim essa frase diz tudo:" Talvez sejam escritores frustrados"
Sou total escritora frustada!rara

Monaliza Brito disse...

Preciso urgentemente do contato deste serviço de ajuda. Até meus títulos são gigantescos...

Duda Rangel disse...

Gabi, todo jornalista é, no fundo, um escritor.
Monaliza, teu caso parece grave, muito grave...rs
Beijos.

Babi disse...

Pretendo fazer direito rsrsr
Adorei o blog!Muito bom Duda, humor inteligente, criativo e informativo. Conheci o blog pelo twitter, que Zeus abençõe essa rede social e, com certeza, o blog Desilusões perdidas! Bjuuuu

Lis Lemos disse...

Acho que sou a única jornalista que escreve "de menos". Tenho horror quando tenho uma pauta que me exige 10 mil caracteres. Tenho depressão profunda. Prefiro escrever 10 textos de 4 mil caracteres cada, do q um de 8 mil.

Jéssica Balbino disse...

Inspirado em mim #fato !
se eu ganhasse por palavra escrita, seria MILIONÁRIA !

Duda Rangel disse...

Valeu, Babi.
Lis, escrever de forma concisa não é fácil. Em jornalismo, menos é mais.
Jéssica, como jornalista não ganha por hora extra de trabalho, bem que poderia receber por palavra extra num texto, né não?
Beijos.