segunda-feira, 10 de agosto de 2009

Eu quero ser correspondente em Roma


Na semana passada, estava assistindo ao Jornal Nacional quando entra uma matéria sobre um certo caos na Venezuela. As imagens, com o off do repórter, mostravam um grupo armado, supostamente pró-Chávez, invadindo uma emissora de televisão em Caracas. Jogaram gás lacrimogêneo, causaram a maior muvuca. Então, vem a passagem do repórter, o correspondente para a América Latina, se não me engano. O cara estava onde? Em Buenos Aires! Sim, a milhares de quilômetros de distância, no outro extremo do continente.

É claro que não dá para pagar a viagem de uma equipe para a Venezuela só para cobrir uma “invasãozinha boba”, mas, aqui entre nós, cobrir da Argentina é muito esquisito também.

Às vezes, eu acho que vida de correspondente internacional está muito fácil hoje em dia. O bicho pega na Faixa de Gaza ou no Paquistão e a cobertura é feita tranqüilamente de Londres ou de Nova York. Tudo na maior paz. E, naturalmente, com a ajuda da Reuters e da internet. O repórter faz aquela passagem básica em frente a algum cartão postal da cidade e já está livre para pegar um cineminha ou um teatro.

Mas a coisa mais bizarra do mundo dos correspondentes internacionais é, sem dúvida, a loira da Globo que fica em Roma, mais precisamente a “setorista do Papa”. Esse é o emprego que eu pedi a Deus. Ah, se o Cara fosse meu amigo e rolasse um Q.I.. Morar numa puta cidade legal e ter uma rotina mais do que light. Eu só me lembro de a loira ter ralado um pouquinho quando o último Papa morreu e o novo assumiu. Passadas a agitação e aquela história da fumaça, ela deve ter respirado aliviada. Tudo voltou ao normal, um bom restaurante, um bom vinho...

8 comentários:

The Ideas of a Vintage Doll disse...

Mas imagina só o tédio??? Eu hein!

Margarete disse...

"Passadas a agitação e aquela história da fumaça," HAHAHA

Gleyci Pamplona disse...

ai Duda, como a mulher ralo com a morte do Papa -,-
e vc gostaria de ser correspndente na Faixa de Gaza?com flesh ao Vivo de lá? heheheh

Erickblog disse...

Setorista do Papa é ótimo! Como sempre você nos brinda com seu fino humor. No dia que eu for a São Paulo vou fazer questão de tomar uma cerveja contigo.
Realmente, aquela loira está a um bom tempo na Itália e só manda notícia do Papa - como se nada mais acontecesse na Itália. Não tem máfia, não tem imigração ilegal, a política é exemplar, não tem desemprego.
Cobrir conflito na Faixa de Gaza ou falar de guerra civil num desses países africanos a quilômetros de distância - de Nova York ou Europa - parece realmente ser o emprego dos sonhos.
Não sei se é apenas impressão mas parece que alguns desses correspondentes nem chegou a pegar uma "pauleira" diária de redação. Parece que alguns são agraciados com essa benção. Muitos serão chamados, poucos os escolhidos, como aquela máxima da Biblia.
Será que a Patríca Poeta e o Rodrigo Alvarez poderiam dar alguma resposta sobre isso? Ah, deixa para lá...

Ewerton Martins Ribeiro disse...

É verdade... se não é para cobrir do local, por que cobrir de outro país? Isso, para mim, é enganar o espectador.

Duda Rangel disse...

Caros, obrigado pelas manifestações. Acho que até curtiria ser correspondente em Gaza ou no Paquistão por um tempo. Lá não tem tédio, o negócio bomba todo dia (que piadinha mais infame). Beijos e abraços a todos!

Giovana Damaceno disse...

Bom, já que sou mulher e que todos aqui já comentataram um pouquinho de tudo sobre a loira, que tal dizer que estamos enjoados daquele cabelo hipiie anos 70?

lemacha@gmail.com disse...

Concordo com voce. O emprego como o da loira também queria. Bem que tentei ser correspondente da Globo em Paris mas não tive pistolão suficiente. Cobrir a Venezuela da Argentina é piada, eu também posso fazer, todo mundo pode fazer.