quarta-feira, 26 de agosto de 2009

Televisão verdade


Ao ver o global Profissão Repórter da semana passada, sobre a vida em presídios, me lembrei do Documento Especial, jornalístico que ganhou fama a partir de 1989 na TV Manchete. O programa abordava, com irreverência carioca e de forma bem crua, temas polêmicos, como violência, sexo, drogas, sexo, religião e... sexo. Tinha uma edição tosca, mas foi um caso de sucesso de jornalismo investigativo. A apresentação era de Roberto Maya (foto), conhecido também por suas atuações em clássicos do cinema erótico nacional.

Uns amigos mais abastados, que têm TV por assinatura em casa, me disseram que o Documento Especial é reapresentado, há algum tempo, no Canal Brasil. Vasculhei no YouTube e encontrei algumas pérolas, como o episódio “Os pobres vão à praia”, considerado pelo antigo diretor do programa, Nelson Hoineff, o mais significativo de todos. A reportagem mostra um grupo de pessoas do subúrbio carioca barbarizando nas praias da zona sul. São cenas de baixaria total. Hoje em dia na TV, algo semelhante só nas sessões do Senado.

Em outro episódio, “Profissão: prostituto”, o programa apresentou, pela primeira vez na televisão, a Noite dos Leopardos, show de strip-tease masculino na Galeria Alaska, reduto gay do Rio. Revelou também como jovens desempregados e sem rumo na vida (talvez algum jornalista estivesse por lá) decidem vender o corpo para conseguir uns trocados.

Chamado de “televisão verdade”, o Documento Especial era uma espécie de reality show da TV brasileira de 20 anos atrás. Com uma vantagem: sem Kleber Bambam e Diego Alemão. Um prato cheio para quem gosta de jornalismo e do lado B da vida.

7 comentários:

Erickblog disse...

Lembro bem desse programa. Começou na Manchete sob o título de "Documento Especial" e depois foi para o SBT com o nome de "Documento Verdade". Gostava muito e lamento não ter assistido todos.Também ouvi dizer que passa no Canal Brasil, mas não sei o horário.
Lembro muito bem de um episódio cujo título era "Por que hoje é sábado". Teve uma cena de uma briga - que até hoje não entendi o porquê- entre dois grupos, no meio da rua. Uma cena que , na época, deixou-me impressionado. Além disso, tratava de temas como cinema erótico, prostituição, violência, religião, e vários outros, de uma forma, digamos, não tão policamente correta, como acontece hoje.
Gostaria muito de saber quem era o diretor. Você sabe Duda?

Gleyci Pamplona disse...

Poxa não é da minha epoca...
(talvez algum jornalista estivesse por lá) adorei essa parte.

Beijos...

Gleyci Pamplona disse...

égua, os pobres vão a praia, quanta gente com cara de sub-mundo do crime, caras de detentos do Carandiru!
muito show hehehehehehehehe

Ewerton Martins Ribeiro disse...

orodA. B odaL.

Derla Cardoso disse...

Puts! Com certeza vou procurar! Adorei...

Duda Rangel disse...

Erick,
O diretor era o Nelson Hoineff, que comanda as reapresentações do programa no Canal Brasil (quinta-feira à meia-noite e de sábado para domingo às 2 horas). No YouTube tem muita coisa legal. Vale a pena dar uma olhada. O programa era bem politicamente incorreto mesmo, fora dos padrões de hoje. Abração.

Erickblog disse...

Cheguei a dar uma olhada no youtube, mas o som não tá muito legal em alguns episódios.
Valeu o toque sobre o horário no Canal Brasil, quero assistir para matar a saudade.