quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

O que seria...


... do jornalista sem a paixão pelo trabalho e o desapego total ao dinheiro? Do Boris Casoy sem a hipocrisia? Do furo sem o faro? Do assessor de imprensa sem o mailing do Maxpress? Da estagiária ambiciosa-incompetente-mas-gostosinha-pra-caralho sem o editor-executivo-mulherengo-devorador-de-ninfetas? Da Fátima Bernardes sem o William Bonner? Do William Bonner sem a Fátima Bernardes? Do Milton Neves sem o merchandising? Da mesa-redonda esportiva sem os erros do juiz? Do jornalismo político em Brasília sem o Congresso? Da Sônia Abraão sem os dramalhões das subcelebridades? Do jornal de domingo sem os anúncios de lançamentos imobiliários? Do salário dos jornalistas sem o mísero dissídio anual? Do fotógrafo endividado sem os frilas de festa de casamento? Do estagiário da redação sem as notinhas e os infográficos? Do César Tralli sem a sua extraordinária capacidade de cultivar bons relacionamentos? Da cobertura das catástrofes sem o interesse mórbido do leitor? Dos eventos empresariais para a imprensa na hora do almoço sem o filé mignon ao molho madeira? Do repórter musical sem o sonho de um dia entrevistar seu ídolo de infância? Do repórter engomadinho que aparece na TV sem o produtor faz-tudo que não aparece na TV? Da moça do tempo sem a doce ilusão de um dia ser a apresentadora do telejornal? Da reunião de pauta do telejornal sem os jornais impressos do dia? Da formação do estudante de jornalismo sem o boteco ao lado da faculdade para o jogo de truco? Do jornalismo investigativo sem a bravura de Zé Bob? Do correspondente internacional sem a Reuters, a Associated Press e os jornais locais? Dos caluniadores e difamadores sem a conversão da pena em cestas básicas? Do ombudsman sem as cagadas da imprensa?

9 comentários:

Ana Lima disse...

É tipo, dissídiooo, eu te amooo!

Rodrigo Vilela. disse...

Do salário atrasado sem a paizão pelo jornalismo? Reflexo de todas as nossas realidades.

André HP disse...

Dos jornalistas sem o Desilusões perdidas para dar algumas risadas.

Fernanda disse...

"O que seria do empresário de comunicação sem o time de estagiários?!" Um falido .. rs

Bangalô Cult disse...

Tudo de bom esse texto aí, Duda.
Manda ver....

O que seria do jornalista sem a inspiração diária para escrever e jogo de cintura para sobreviver ?

Marília disse...

muito bom! esse texto está demais!!!

Isa. disse...

é vou aproveitar os jogos de truco no boteco ao lado agora! hahahahha
beijao Duda!
te espero no meu blog hein?


http://semtravasnalingua.blogspot.com

fernando disse...

Cadeia angustiante!

Duda Rangel disse...

O que seria do Desilusões perdidas sem a participação dos meus caros leitores? Valeu pelos comentários de todos! Muitos abraços!