segunda-feira, 26 de julho de 2010

O deputado, a sogra e a cabeça do repórter



Deputado influente fala com seu assessor

Entendeu o que eu te pedi? Quero que você ligue agora para o editor do jornal e peça para ele demitir aquele repórter irresponsável. Onde se viu escrever que minha sogra tá empregada lá no gabinete, recebe salário e não aparece para trabalhar? Tudo bem que é verdade, mas que direito esse reporterzinho de merda tem de publicar isso? Deixa a velha sossegada, porra! Cadê o respeito com a terceira idade? Mas esse repórter, que é um moleque, vai se dar mal. Vai aprender a não se meter mais comigo! E, outra coisa: não esquece de lembrar o editor que o dono da bosta daquele jornal é meu amigo há muitos anos, que tomamos uísque juntos. E fala grosso, viu? Diz assim: “O deputado tá muito puto com a safadeza desse repórter”.

Assessor fala com o editor do jornal

Tudo bem? Então, é sobre a matéria que saiu sobre a sogra do deputado. Na verdade, o deputado ficou um pouco magoado com o que o seu repórter escreveu. Todos sabem que o deputado sempre foi preocupado com a ética, sempre combateu o nepotismo e agora esse rapaz escreve isso, você entende? E, além de tudo, envolveu a sogra do deputado, que é uma senhora. Eu sei que pode ter sido uma infelicidade do repórter, que ainda é muito jovem, mas o deputado gostaria muito que você desligasse esse jornalista da empresa. Parece que o deputado é amigo do dono do seu jornal, acho que até tomam uísque juntos. É mais para não ferir a amizade que eles têm. Acho que você me entende, não?

FINAL FELIZ

Editor do jornal fala com o repórter


Sabe quem me ligou agora há pouco? O assessor do deputado da sogra. Acredita que o desgraçado do deputado pediu a tua cabeça? Filho-da-puta! Ele acha que é só ligar, dizer que não gostou da matéria e a gente vai mandando pra rua. Queria que você soubesse desta história. Pode ficar tranqüilo que você continua em nossa equipe. Confio no seu trabalho e no seu potencial. Ah, e o assessor veio até com um papinho furado de que o deputado e o dono do jornal são amigos, que tomam uísque juntos. Babacas.

FINAL INFELIZ

Editor do jornal fala com o repórter


Opa, tudo bom? Sabe aquela matéria que você escreveu sobre o deputado que emprega a sogra no gabinete e que a sogra não aparece para trabalhar? Então, parece que você cometeu um equívoco na apuração e desagradou a muita gente. O deputado não gostou, o dono do jornal também. A sogra, que é velha, passou mal. Meu caro, jornalismo é coisa séria. Tem de ter muito cuidado com o que se escreve para não prejudicar ninguém. Mas você é muito jovem ainda, tem muito tempo para aprender... Bom, o departamento pessoal fica no segundo andar, ok? Passa lá. Ah, e não se esqueça de esvaziar a sua gaveta.

16 comentários:

Mariana disse...

hahahahah!

é, triste fim de policarpo quareslma, meu amigo!
ninguém pediu pra ser jornalista, foi um distúrbio na hora de preencher a ficha do vestibular.

Maria Fernanda Ribeiro disse...

Triste realidade. Num jornal onde trabalhei o filho da puta do assessor do deputado pediu a cabeça do repórter em troca de um apezinho onde o editor quisesse... dessa vez a história foi feliz e o editor ficou com a cabeça do repórter, mas deve ser porque nem deputado e nem dono de jornal eram amigos...

Silvana Chaves disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Silvana Chaves disse...

É... é uma porcaria mesmo! Gente sem vergonha como esses daí tá cheio no mundo. É frustrante.

E todos nós estamos sujeitos a isso, a perder nosso emprego por causa de gente mau-caráter como esses daí...

Renan Silva disse...

Putz... haushaushushas... muito bom... é triste a realidade... esperamos que um dia só vejamos finais felizes em histórias como essa...

Derla disse...

Tadinhooooo! Não gostei da segunda opção...

Laís Fernanda Borges disse...

infelizmente o mais corriqueiro é a segunda opção.

ótimo texto duda

Carol disse...

Ei Duda, coloca aqueles botões de compartilhamento aqui no blog! Assim tem como eu postar direto o conteúdo no twitter, facebook, etc. Acho que não é muito complicado. Enquanto isso, eu compartilho na raça mesmo, ctrl c + ctrl v do link. haha Seu blog é demais!

Duda Rangel disse...

Pois é, meus amigos, já conheci muitas cabeças que rolaram, muitos finais tristes. Aliás, quem não conhece alguma história assim? Obrigado pelas mensagens!
Carol, vou verificar os botões de compartilhamento. Sou um cara meio zero à esquerda no quesito novas tecnologias, mas vou descobrir como faz. :)
Beijos e abraços do Duda.

Nathália M. Pimentel disse...

O pior é saber a raridade de o "final feliz" acontecer..
Duda, veja se ajuda: Para colocar os botões de compartilhamento, é só vc entrar na parte de Design do seu blog no blogger, e na parte "Postagens no Blog" clicar em Editar. Aí marca a opção "Mostrar botões de compartilhamento" para habilitar!
Beijão

Duda Rangel disse...

Nathália,
Obrigadão pela dica. O compartilhamento já tá funcionando.
Beijo

Anônimo disse...

Acho que sou a jornalista "clássica" mesmo. Nunca ouvi (e nem soube) de finais felizes nesta situação. Meses atrás também tive que esvaziar minha gaveta, após uma situação destas hahaha Mas as desculpas foram outras!
Só rindo mesmo, pra não chorar rs

Duda Rangel disse...

Anônima, final feliz é coisa de novela. Nossa realidade nessas situações é bem diferente. Beijo.

Guillermo disse...

Bom, já passei por isso algumas vezes quando trabalhei com Política. E devo dizer aos mais novos que não desanimem: em TODAS as vezes, sem exceção, o final foi feliz (ou menos infeliz: "olha só, deu merda. Vamos te segurar, mas fica esperto, ok?").

Simone Schettino disse...

Eu já tive que ouvir "Você deve ser uma estagiariazinha de merda, vou te botar na rua" de ascom. E sobrevivi.

Duda Rangel disse...

E seguimos na luta, Simone. Abraço.