quarta-feira, 17 de agosto de 2011

Os dias e dias da vida de um jornalista


Tem dia que o lead não sai. A fonte me trai. O texto não vai.

Tem dia que a pauta emperra. O chefe só berra. O prazo me ferra.

Tem dia que assessor é um mala. Entrevistado não fala. Que o papo não embala.

Tem dia que plantão não tem fim. O humor é ruim. O almoço, chinfrim.

Tem dia que redação é um hospício. Pescoção, um suplício. Que o café é meu vício.

Tem dia que apurar é um apuro. Que eu me sinto inseguro. Que eu levo um furo.

Tem dia que fechamento é um drama. Que a gente reclama. A gastrite me chama.

Mas tem dia da grande matéria. Que a vida é pilhéria. Que esqueço a miséria.


Já comprou o livro do Duda Rangel? Conheça a loja aqui, curta, compartilhe. Frete grátis para todo o Brasil.


Curta a página do blog no Facebook aqui.

9 comentários:

Julian Cunha disse...

Dudaaa!
Esse texto é muito meu!
Adoro quando você fala por mim!
Adoro o que escreve!
Um grande abraço!

Cecília França disse...

Sempre adoro seus textos! Me faz lembrar os tempos de redação e (pasme) sentir saudades!

Aline Cardoso disse...

O Duda Rangel sempre postando, de modo criativo e bem humorado, a realidade de muitos jornalistas desse Brasil varonil. Adorei!

Luciana Araújo Cavalcanti disse...

É um poeta!!! Quero um Duda Rangel dos professores do Brasil...

Duda Rangel disse...

Julian, Cecília, Aline e Luciana, vocês são muito carinhosas comigo. Brigadão pelas palavras. Beijos.

Talita Cruz disse...

Dudaa, estava com saudades! rs. Adorei o texto, pra variar! Bjus :)

Anônimo disse...

KKK esse é meu estado de espírito hoje. Toco

Duda Rangel disse...

É isso aí, Anônimo.
Valeu, Talita, querida.

Tiago Nascimento disse...

Muito, muito bom! Sou seu fã!