sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

O presente de Natal certo para cada tipo de jornalista


Para o jornalista que não terá férias em janeiro: o livro “Como descolar pautas bacanas num período em que porra nenhuma acontece”.

Para o jornalista metido a intelectual: assinatura da revista New Yorker para ele deixar sobre a mesa de trabalho. Ele não sabe Inglês? Tudo bem. É só para deixar sobre a mesa.

Para um jornalista chato que você tá bem a fim de sacanear: livro do Gabriel Chalita. Qualquer um tá valendo. Se achar aquele em que ele troca cartas com o padre, ótimo.

Para o jornalista que sempre perde o bloquinho de anotações: um moderno bloquinho com rastreador e sinal sonoro que repete “atenção, este bloquinho está sendo perdido”.

Para o jornalista que não entende a própria letra no bloquinho: curso de caligrafia a distância do IUB, com método que vai de entrevistas rápidas a convites de casamento.

Para o jornalista obcecado por furos: uma cesta de queijos do tipo Emmental.

Para a jornalista cheia de glamour da editoria “Geral”: um kit bem brega com botas de borracha e capa de chuva, afinal o verão tá aí, e enchente não é nada fashion, bebê.

Para um jornalista sem diploma: porta-retratos com uma foto sua levantando o troféu de campeão da Copa Jürgen Habermas de Truco Universitário. Só para fazer inveja.

Para o bom assessor de imprensa (no crees en asesores de prensa buenos, pero que los hay, los hay): um almoço em sua casa, para retribuir todas as bocas-livres que ele lhe proporcionou ao longo do ano.

Para o foca que acha que já sabe tudo: uns tapas na orelha para ele ficar esperto.

Para o jornalista que padece de insônia: a indicação do blog do Duda Rangel. Se é para ficar a noite toda de bobeira, aproveita então para ler os textos do pobre coitado.

Para o jornalista que adora ser a notícia: capa fake da Caras com a foto dele, claro, e a chamada: “Fulano de tal abre sua casa em Búzios e fala dos novos projetos jornalísticos”.

Para uma apresentadora global desempregada: um programa matinal em 2012.

Para o jornalista que não consegue um aumento de salário decente: um mês com apenas 15 dias. Se encontrar um com 10, melhor ainda. Presentaço de Natal.

18 comentários:

Cicero disse...

Eu já até convidei uns camaradas assessores para comer uma feijoada no quintal de casa

Rosi Rodriques disse...

Humm... finalmente o Duda deu um refresco para nós, assessores de imprensa. É bom ser o convidado, só pra variar. Afinal, somos nós que nos esforçamos o ano todo, caprichando nos releases, passando notícias exclusivas, em primeira mão, tudo prontinho, nós promovemos as tais bocas-livres, sempre com os melhores cardápios, reservamos os melhores lugares, camarotes em shows e eventos - que certamente não teriam grana para pagar....
Mas, o Cícero não perdoou. Feijoada nesse calor, é pra sacanaear geral, heim colega! kkkkk FELIZ NATAL!

Flavia Arcanjo disse...

Texto maravilhoso!!!!!

Sylvia disse...

E pro repórter que liga pra assessoria às 16h30 pedindo nota estourando 17h, o que eu posso dar?

Cida, a Escritora da Madrugada disse...

Valeu a dica, já sei o que dar de presente a minha amiga jornalista no amigo oculto da emissora!! kkkk

Roberto Simões disse...

Ganhei um diploma de jornalista, por não haver a minha função na época. Jornalismo em TV era feito em grande parte por radialistas. Cinegrafistas, audio e video,iluminadores, rádio escuta, pesquisa, apresentadores, arte, e afins. Raras exceções. Jornalistas mesmo só na redação. Iguais à nós desenhistas, basta lhes dar comida (às vezes) papel e lápis e deixa-los em paz. O salário opcional, mas havia talvez uma diferença que hoje a vida nos impõe:
-Não engolíamos sapos...

Duda Rangel disse...

Espero ter ajudado com estas dicas de presentes. Aos que tiverem outras sugestões, o espaço está aberto. É só escrever.
Sylvia, no teu caso, uma "resposta a 2 minutos do deadline do repórter" é um bom presente.
Abraços a todos.

Vinicius disse...

Duda, dei boas risadas aqui! Parabéns pelo Blog!

Abraço

Pato disse...

Eu parei de ler depois dos Assessores de Imprensa. A frase do Cervantes ficou genial! Ali já ganhou o texto e o resto só foi para encher linguiça.

Memórias do meu £u disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Memórias do meu £u disse...

Olá Duda Rangel!
Curto muito as suas postagens e não pude deixar de rir desta, realmente, a realidade jornalística é complicada, mas nada como um bom humor para adocicar a vida destes profissionais!

marinhaluiza disse...

Hum! Gostei bastante do blog e tomei a liberdade de indicá-lo no meu espaço. http://wearsunglasses.wordpress.com/2011/12/20/wear-sunglasses-indica-desilusoes-perdidas/

Rafael Ferreira disse...

Eu quero o primeiro presente...

Duda Rangel disse...

Valeu, Vinicius.
Pato, viva Cervantes!
Marinha, visitei o seu blog.
Memórias e Rafael, obrigado pelas mensagens!
Abraços do Duda

Silvana Cordeiro disse...

To um pouco atrasada, mas a dica pra a apresentadora global desempregada foi, simplesmente, SENSACIONAL!!!!

Duda Rangel disse...

Obrigado pelo comentário, Silvana. Beijos.

FRED ALVES disse...

O tapa no foca foi demais.

Anônimo disse...

Gostaria que as pessoas soubessem que colunista social não vive de jantares e de vento. Também que os empregadinhos de outros jornais não lessem o meu só para roubarem meus clientes.