sexta-feira, 4 de março de 2011

Pequenas histórias de carnaval


Um post jornalístico-carnavalesco para relembrar.

História 1: Baile gay, 4 horas da manhã, jornalista de TV batalha entrevista no meio do salão com uma foliã (ou folião) ao som de “Cabeleira do Zezé” em altíssimos decibéis.

- Tá curtindo o baile?
- Não entendi. (voz de traveco bem afetada)
- Tá curtindo o baile? (quase gritando)
- Se eu tô curtindo o baile?
- Isso. Carnaval tá muito quente?
- Loucura!
- E qual o seu nome, querida?
- Milão.
- Miltão?
- Milão, moro em Milão.
- Não, perguntei qual o seu nome!
- Ah, o meu nome?
- Sim!
- Sharon Cristina. (voz ainda mais afetada)
- Primeira vez?
- A primeira vez? Foi com 15 anos, com o Jairo, meu primo.


História 2: Sambódromo, 7 horas da manhã, intervalo da transmissão da TV, narrador conversa com o produtor.

- Pelo amor de Deus, mais um café bem forte! Rápido!
- Calma, ainda faltam duas escolas de samba...


História 3: Camarote na avenida, 3 horas da manhã, jornalista de TV aborda atriz ao vivo.

- Primeira vez que você acompanha os desfiles?
- Não, não, já é a décima vez.
- Curtiu a Portela? É sua escola de coração, né?
- Querido, sou Mangueira desde criança.
- E a novela na Globo, como está?
- (Risos debochados) Gente, tô na Record há um ano!


História 4: Praça da Apoteose, Quarta-feira de Cinzas, fim da apuração, repórter, em meio a outros 32 jornalistas, tenta entrevistar o presidente da escola campeã.

- Uma palavrinha, presidente... Presidente?... Emoção?... Calma aí, gente, sem empurrar! Mão na bunda, não, mão na bunda, não...

Leia também: Marchinhas jornalísticas de carnaval e
10 dicas para uma boa cobertura de carnaval

10 comentários:

Thiago Quirino disse...

Pô, mão na bunda é realmente complicado. O pior é quando a gente olha e só tem os brutamontes dos câmeras ao redor. De onde veio aquela mão???
Abraço Duda, seu blog está cada vez melhor. Vamos fazer um livro que virará um best seller.

Gabriel Shimoda disse...

HAHAHAHA!

ainda me custa aceitar que Carnaval = jornalistas ^^"

Victor disse...

ahahah, adorei bastante o post. e li vários outros aqui no blog, gostei principalmente porque eu - estudante de ensino médio - considero jornalismo uma das opções, voltarei. abraços!

TRABALHADORES, UNI-VOS! disse...

Olá, Duda Rangel... Parabéns pelo blog! Muito bom! Já ouviu aquela música "Romaria"? Aquele trecho que diz se "há sorte, não sei, nunca vi"... Será que o compositor não se inspirou na vida de um jornalista? Abraços, João Renato Diniz Pinto, jornalista, Montes Claros, Norte de Minas Gerais

Duda Rangel disse...

Thiago, Gabriel e Victor, obrigado pelas mensagens.
João Renato, há grandes chances de o compositor ter tido essa inspiração. Não duvido.
Abraços.

Alice disse...

Duda, promete um dia revelar a sua identidade? Antes da sua morte, como fez o Garganta Profunda.

Duda Rangel disse...

Vou revelar em breve, Alice. Prometo.

Flavia disse...

Soltei uma gargalhada em plena sala de trabalho. Ninguém entendeu nada, rs. Tb voto por vc revelar sua identidade, Duda!

Anônimo disse...

Como a Flávia, ri alto no estágio! kkkk
Não de pra segurar :)
Mto bom!!

Duda Rangel disse...

Agradeço as gargalhadas sinceras.
Abraços.