sexta-feira, 12 de março de 2010

Epitáfios


Como já escrito aqui, neste blog, jornalista não morre; jornalista alcança o seu próprio deadline. E, quando o dia deste indesejado (ou desejado) fechamento está para chegar, não há o que fazer. Ou melhor, há sim: deixar um último texto, o famoso epitáfio. A pesquisa, que acaba de entrar no ar, quer saber qual dos epitáfios de jornalista é o mais espirituoso. Do final miserável, mas feliz, a uma última viagem, feita a convite do Capeta. Qual o seu voto?

A enquete que chegou ao fim – O Sindicato dos Jornalistas de São Paulo, defensor do canudo, quer filiar não-diplomados. Você é a favor? – teve como vencedora a alternativa “Não. Isso seria uma contradição do sindicato. Ele só quer encher a burra de dinheiro.”, com 48% dos votos. Em segundo lugar ficou a opção “Sei lá. Pra que serve o sindicato dos jornalistas mesmo?”, com 26%. A entidade está mesmo em descrédito. Quanta ingratidão dos jornalistas! Logo o sindicato, cuja luta por nossa categoria sempre foi tão nobre e eficaz quanto à luta de José Sarney pela liberdade de imprensa.

4 comentários:

AC. disse...

Cada vez que eu leio teu blog eu me pergunto se realmente quero ser jornalista.
Ainda nem comecei a faculdade, mas acho que se deve sim sonhar alto, mas com os pés no chão. Almejo um dia ser colunista da zero hora, um dos principais jornais do meu estado, mas sei que a estrada até a coluna é longa e tortuosa, e assim me preparo psicológicamente para um dia ser um grande homem, um passo de cada vez. :D

Duda Rangel disse...

AC., você está no caminho certo. Sonhar alto é bom, sim. Só é preciso saber que o caminho é tortuoso e se preparar para enfrentá-lo é essencial. Ainda lerei suas colunas no Zero Hora. Abraço

marifreica disse...

Eu ainda gostaria de ver escrita na minha lápide algo que Phoebe Buffay uma vez disse: "Enfim, pó". Nada mais verdadeiro, né não?

Duda Rangel disse...

Querida Mariana,
O pó é o fim para todos mesmo. Ótimo epitáfio. Beijos.